Por Dentro Do Roteiro, de Tom Stempel

Jul 15, 2018 3 min.

O livro de Tom Stempel, acadêmico e crítico cinematográfico, parece ter sido feito com um olho nos negócios e outro no entretenimento. Isso porque para Stempel o importante em um roteiro não é seguir uma estrutura estética agradável, nem mover a história em uma trama que te prenda, mas fazer os personagens serem tão reais que você os seguirá para onde quer que seja. Mesmo em um blockbuster. Isso é porque para ele Titanic, de James Cameron, não é um exemplo a ser seguido porque é, perdoe o trocadilho, superficial, ou os Episódios I, II e III da saga Star Wars são exemplos de roteiros ruins simplesmente porque não são escritos para convencer ninguém, mas apenas bater cartão no universo de George Lucas.

Um Conto Chinês

Jul 14, 2018 3 min.

(27 de abril de 2011) Assistir um filme argentino, em espanhol, em Buenos Aires, pode ser uma experiência inspiradora, ainda mais se estivermos falando de Cinema com C maiúsculo. Independente das minhas parcas capacidades de entender diálogos rápidos de castelhano, Cuento Chino consegue contar sua história com o uso de expressões, trilha sonora, e, principalmente, seu aspecto visual, que emprega um ritmo muito maior se fossem utilizados diálogos. E, ironicamente, existe essa impossibilidade de comunicação entre os dois personagens principais do filme.

Samantha!

Jul 13, 2018 2 min.

O plano-sequência inicial de “Samantha!”, série da Netflix produzida no Brasil, irá revelar uma miríade de sentimentos e mensagens conflitantes sobre o que significavam os anos 80. Incluindo a figura de uma caixa de cigarros em um programa infantil protagonizado por uma garota mimada, uma criança erotizada na TV brasileira. Até agora, nada de novo. Só que piora. Avançamos no tempo e o que temos no lugar é a Samantha adulta (Emanuelle Araújo, que fez Gretchen no elogiado “Bingo: O Rei das Manhãs”), uma dançarina magrinha e gostosa que performa exatamente a mesma música sei lá quantas décadas à frente.

Ilha dos Cachorros

Jul 13, 2018 1 min.

Um filme dotado de todas as características do cinema de autor. E impossível não citar talvez a melhor canção-tema de sua filmografia: o hit “I Won’t Hurt You”, da banda psicodélica dos anos 60 The West Coast Pop Art Experimental Band. Sim, Wes Anderson mescla os poderes da infância, dos adultos e das drogas em uma imensa coletânea de ideias coloridas, sonoras, verbais.

50 São os Novos 30

Jul 11, 2018 2 min.

Tentando ancorar esta comédia francesa na lista dos filmes sobre as diferenças entre as décadas nas idades das pessoas (os 20, os 30, os 40…) “Marie-Francine” (o título original do filme em francês) é uma comédia de situação que se apropria da personagem-título para criar situações nem sempre muito bem conectadas, mas que existem apenas pelo bem do riso fácil. O problema é que nem sempre o riso vem. A história é clichê e cheia de furos: mulher independente sem filhos recebe um fora do seu marido aos 50 anos, que está saindo com uma mais nova.

Uma Casa à Beira Mar

Jul 11, 2018 1 min.

Deixe-me abrir um parêntese para este escritor frustrado, fácil de entender pela atuação pertinente e caracterização óbvia de Jean-Pierre Darroussin. A partir dele podemos entender o resto da família. Ele representa o intelectual máximo do microcosmo. O mais inteligente e, portanto, o mais depressivo e anti-social. Sempre reclamando com sua opinião pessimista sobre a vida, e sempre fazendo questão de politizar tudo em uma relação injusta de poder, vestindo seu casaco sutilmente vermelho e tendo seus pensamentos rejeitados pelo mundo contemporâneo, ele é obviamente um Karl Marx com barba rasa (e careca em cima da cabeça).

O Orgulho

Jul 5, 2018 1 min.

“O clichê do desafio da aluna de baixa renda que irá superar através da retórica tudo e a todos os estudantes ricos e brancos da elite francesa é tratado de maneira preguiçosa e convencional, a ponto de se tornar óbvio que o batalhão de cinco pessoas que escreveu a história e os diálogos usa livros escritos pela mesma elite branca com complexo de culpa para se basear nessa realidade ficcional onde ou você ou é oprimido ou é opressor.

Botched

Jul 4, 2018 1 min.

Botched é mais uma das séries de canais como Discovery Home & Health e… ops. Acho que me enganei de canal. Anyway. Algum canal pago desses por aí onde abrem mulheres para fazer cirurgias plásticas para as completarem como os últimos Frankesteins de nossa geração. Mas Botched não começa de uma pessoa insatisfeita com seu corpo natural e a partir disso trabalha opções que esteticamente irão preencher o vazio existencial dos pacientes.

Argentina vs França e o Fim da Geração dos Autistas

Jul 1, 2018 3 min.

A tecnologia e o profissionalismo chegaram na copa em um nível nunca antes visto. Se compararmos com o que o atacante que fez o primeiro gol na primeira copa, o francês Lucien Laurent, notamos o abismo entre o ontem e o hoje do Planeta Futebol: Estávamos jogando contra o México e estava nevando, já que era inverno no hemisfério sul. Um dos meus companheiros de equipe recebeu a bola e eu segui seu caminho com cuidado, finalizando com meu pé direito.

O Caçador e a Rainha do Gelo

Jul 1, 2018 2 min.

Continuação previsível, baixo orçamento, mas mantém o mesmo universo e alguns efeitos bem impressionantes. A história central é poderosa, pesa no final, mas todo o resto é um passeio monótono, pois praticamente tudo é previsível. Jessica Chainstain, apesar de boazuda, fala que o Thor envelheceu, mas é ela que é a coroa. O trunfo do filme original era Charlize Theron, e ela só faz uma ponta aqui, no começo e no final.