24 Frames

2017/10/24

24 Frames é o cinema experimental de Abbas Kiarostami, que está mais experimental que nunca. Ele resolve pegar um filme de 114 minutos e dividir em exatos 24 frames. Cada frame é praticamente estático, com a exceção de alguns animais (e pouquíssimos humanos) que se movem na tela. Há pouquíssimas cores, e muita, muita, muita neve.

Tudo isso em uma estrutura simples, previsível, que torna tudo entediante ao máximo. O motivo? Por contrastre, o motivo, eu diria, é fazer o espectador pensar. E ao pensar, ele irá concluir que é sua imaginação a única que pode estar criando algum significado aqui. Kiarostami tem seu estilo, mas definitivamente ele não está forçando uma narrativa aqui. Tudo depende de quem assiste.

E o que será que você, caro leitor, irá pensar de tudo isso? A fotografia, apesar de minimalista, é belíssima. E os movimentos dos animais, obviamente montados via computador (sejam eles reais ou não) soam às vezes ligeiramente robóticos, o que dá a sensação de estar em um simulacro. Outra coisa que dá essa sensação é o tempo. Muita neve fica caindo incessantemente, e há muitos espaços em branco, o que dá novamente a sensação de olhar uma simulação.

Cada frame está separado completamente do seguinte, mas há alguns temas bem recorrentes. Quando Kiarostami dá um salto para uma Torre Eiffel, o padrão se quebra. Coincidência? Acho que não, ele quer dizer alguma coisa aqui. É seu… nosso dever, tentar descobrir o que é.

Eu desconfio. Tenho minhas filosofadas. Mas não quero compartilhar ainda. Talvez eu veja novamente este filme, que assim como aquela pegadinha de primeiro de abril da Netflix, faz você viajar em conceitos (mas esse sem narração). Não vá com sono. Ou, se você é cinéfilo, provavelmente achará essa viagem fascinante. Depois me diga o que achou ;)

★★★★☆ 24 Frames. France, 2017. Direction: Abbas Kiarostami. Runtime: 114. Gender: Drama. Category: movies Tags: cabine mostrasp

Share on: Facebook | Twitter | Google