28 Dias
Wanderley Caloni, 2017-04-21

Como você faria para mostrar ao grande público que ter uma vida boêmia pode ser algo terrível, mesmo que você se divirta no processo? Bom, 28 dias faz isso de maneira brilhante, desfocando e diminuindo direto nas cenas a qualidade dos momentos da vida em que sua protagonista, Gwen, não consegue se lembrar direito. Ela e seu namorado estão em uma festa, chegam em seu apartamento, colocam fogo em um sutiã, fazem sexo, acordam atrasados para o casamento de sua irmã, fazem um verdadeiro vexame no dia mais importante de sua vida e Gwen acaba em uma clínica de habilitação onde, contrariando os filmes mais bonitinhos sobre o tema, as pessoas não são agradáveis ou dignas de pena, mas seres humanos muito reais, que estão cansadas dessa vida que Gwen acabou de interromper.

Toda a estrutura do filme faz-nos crer que a vida é mais difícil que viver de porre em porre, ou pelo menos continuar vivo no processo. Ao mesmo tempo vamos sendo apresentados de maneira orgânica ao grupo em que Gwen acaba fazendo parte. Sandra Bullock consegue criar uma personagem que vai mudando realmente aos poucos, e que não parece acreditar em sua própria mudança, assim como seus novos amigos. Ninguém lá leva realmente a sério o programa de reabilitação, e é como seria na vida real. Apenas nos filmes essas pessoas seriam cordeirinhos comportados. Essas pessoas estão acostumadas a transgredir tudo e todos em seu dia-a-dia, por que seria diferente em um hospital?

Viggo Mortensen, na época participando do primeiro Senhor dos Anéis, consegue com relativamente pouco tempo de tela criar outro personagem carismático, um jogador de beisebol em recuperação. Nada no filme parece muito definido, o que colabora muito para que este Um Estranho no Ninho para viciados soe como uma experiência não-esquemática, quase natural. Perto do final, é como se tivéssemos de fato conhecido essas pessoas, e que um bom tempo de convívio tivesse se passado.

Não é um filme perfeito, mas a dedicação com que ele reconstrói o trauma de infância de Gwen parece resumir o formato mais que agradável de se acompanhar um filme sobre adultos com problemas, usando algo que a esmagadora maioria dos preguiçosos cineastas nunca usa: mostre, não diga.

★★★★★ 28 Days. USA. 2000. Direção: Betty Thomas. Roteiro: Susannah Grant. Elenco: Sandra Bullock (Gwen Cummings), Viggo Mortensen (Eddie Boone), Dominic West (Jasper), Elizabeth Perkins (Lily), Azura Skye (Andrea), Steve Buscemi (Cornell), Alan Tudyk (Gerhardt), Mike O'Malley (Oliver), Marianne Jean-Baptiste (Roshanda). Edição: Peter Teschner. Fotografia: Declan Quinn. Trilha Sonora: Richard Gibbs. Duração: 103. Aspecto: 1.37 : 1. Comedy. Estreia no Brasil: 23 June 2000. #netflix