50 São os Novos 30

Jul 11, 2018

Imagens

Tentando ancorar esta comédia francesa na lista dos filmes sobre as diferenças entre as décadas nas idades das pessoas (os 20, os 30, os 40…) “Marie-Francine” (o título original do filme em francês) é uma comédia de situação que se apropria da personagem-título para criar situações nem sempre muito bem conectadas, mas que existem apenas pelo bem do riso fácil. O problema é que nem sempre o riso vem.

A história é clichê e cheia de furos: mulher independente sem filhos recebe um fora do seu marido aos 50 anos, que está saindo com uma mais nova. Para a conveniência do drama, ela é demitida do seu emprego e não consegue alugar um lugar para ficar (a única saída seria pedir um empréstimo para o ex… então não). Então sua única saída se torna voltar a morar com os pais, e os pais a tratam não como se ela tivesse 30, mas 14.

Há alguns elementos no filme que podem se aproveitar do humor peculiar francês, mas que não são universais. Os pais criam um negócio para ela se estabilizar o quanto antes e sair da casa deles. O negócio é de cigarros eletrônicos, que não recebe nenhum cliente porque Marie-Francine é péssima vendedora. Sua única visita de interesse é um cozinheiro que simpatiza com ela (não entendemos por quê) e começa a mandar pratos experimentais que ele prepara. O que Francine não desconfia é que ele está morando na mesma situação que ela. Ou pior: dividindo uma cama com o filho pequeno.

A única piada verdadeira e honesta do filme talvez seja que ele não é capaz de dizer a verdade para ela, mas a primeira coisa que ela faz ao ganhar intimidade é explicar sua atual situação, em uma referência divertida sobre a diferença dos sexos. O resto são pedaços de humor entrelaçados nos personagens, mas sem fazer parte deles. Como a mãe de Francine, que compra um bronzeador artificial e tem um caso lésbico onde todos do bairro parecem saber. Ha ha ha. Sim, é divertido de assistir. Mas poderiam ser enquetes de humor de qualquer programa de TV.

Já a atuação de Valérie Lemercier, que faz uma ponta como sua irmã-gêmea, é adequada até demais. Ela parece estar fazendo uma dramédia, mas os roteiristas Sabine Haudepin e Valérie Lemercier não parece estar alinhados com esse seu estado de espírito. O resultado se torna mais engraçado, mas sem profundidade. Assista em uma tarde despretensiosa com pipoca.

Wanderley Caloni, 2018-07-11. Marie-Francine. França/Bélgica, 2017. Escrito por Sabine Haudepin e Valérie Lemercier. Dirigido por Lemercier. Com Valérie Lemercier, Patrick Timsit, Hélène Vincent. IMDB.