A Câmera de Claire é banal demais para ser ruim

Os pedaços do tecido cortado pela menina do filme por raiva lembram os polaroides de Claire. Em um dos momentos finais do filme a vemos tentando vestir um pedaço desse tecido, que ela considera de qualidade fabulosa. Texto e tecido estão relacionamentos etimologicamente, do Latim textum, “tecido, entrelaçamento”. E a Câmera de Claire é essa máquina de costurar, que conta uma história através de suas fotos, que revelam momentos entrelaçados. A textura dessa história depende dos seus personagens, que estão vivos, nas ruas, e mudam toda vez que uma foto deles é tirada.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2018-05-03. La caméra de Claire (França, Coreia do Sul, 2017), escrito e dirigido por Sang-soo Hong, com Isabelle Huppert, Min-hee Kim, Mi-hee Chang. IMDB. Em breve crítica no CinemAqui.