A Entrevista

A Entrevista é daqueles filmes que se aproveitam de um momento histórico atual para tentar chamar atenção para si mesmo, quando na verdade não passa de uma comédia medíocre construída sob uma estrutura falha que, assim como Zohan: O Agente Bom de Corte, tenta resolver um problema complexo de maneira simplória jogando ao público o que ele quer ver.

Porém, seria mesmo isso que o público quer ver? Não há dúvidas do lado de Dave Skylark (James Franco se divertido à beça), um entrevistador de um programa de TV que se gaba de arrancar anúncios polêmicos de celebridades (como Eminem assumindo sua homossexualidade ao vivo). Acompanhando o raciocínio de seu frustrado editor Aaron (Seth Rogen sendo Seth Rogen), que gostaria de trabalhar com material mais sério, conseguem uma entrevista com o ditador norte-coreano Kim Jong-un (Randall Park) por causa de seu fascínio por Skylark. Talvez a melhor piada do filme tenha passado despercebido, mas quando um ditador sanguinário é fã de uma série pseudo-nerd, talvez a equipe de The Big Bang Theory poderia reavaliar melhor seu público-alvo.

Tentando soar engraçado através do plano da C.I.A. de assassinar Kim, o filme, dirigido por Evan Goldberg, mas co-dirigido pelo próprio Seth Rogen (que também é um dos que assina o roteiro), parece não caminhar bem nem entre as piadas e nem entre a possibilidade de uma sátira. Se há momentos realmente pungentes na famosa entrevista (“por que você não os alimenta?”), eles são rodeados de bobagens, como usar Katy Perry como fundo psicológico dos traumas de infância do ditador. Ou seja, para conseguir atingir um bom momento somos obrigados a assistir meia-hora de enrolação.

Sem contar que, tentando divertir o público construindo um alter-ego não-condizente com a figura pública de Kim, o long inadvertidamente consegue criar empatia com o personagem, destruindo logo em seguida em sua conclusão. Não me parece uma boa ideia construir mártires através de uma invenção em cima de uma figura ainda atuante na esfera geopolítica.

Mas não me leve a mal, não estou defendendo a restrição da liberdade de expressão, como alguns defensores de ataques terroristas andam fazendo atualmente. A única virtude inequívoca de A Entrevista, aliás, é o fato dessas bobagens poderem ser escritas, produzidas e distribuídas por boa parte do mundo moderno. Quer dizer, espero que isso aconteça.

★★☆☆☆ Wanderley Caloni, 2015-01-18 imdb