A Era do Rádio

| Wanderley Caloni

January 29, 2019

Woody Allen pode ser uma caixinha de surpresas para quem apenas espera comédia em seus filmes. Se Meia Noite em Paris é seu filme saudosista mais bem sucedido, A Era do Rádio é o seu trabalho mais fofo. E dizer isso de Allen já me é uma surpresa e tanto.

Narrado como suas memórias de infância, o diretor e roteirista judeu demonstra como um diário pode virar a documentação de uma era. Ao mesmo tempo que acompanhamos os acontecimentos da casa onde morava com pais, tios e tias, o filme vai nos conduzindo àquela época marcada pela presença do rádio no lugar da televisão, e consequentemente suas celebridades invisíveis com seus programas favoritos de uma ou outra pessoa da casa. Cada uma tinha o seu.

O de Allen era um show para crianças chamado O Vingador Mascarado, e nas palavras do narrador/protagonista era uma mistura de Superman com Clark Gable. Ele queria muito que seus pais lhe dessem um apetrecho desse herói, mas ficou só na vontade. Allen, ainda um garoto, não é o herói aqui, mas uma testemunha de uma era.

Ele descreve vários momentos que o rádio fez parte, como o anúncio da segunda guerra com o ataque a Pear Harbor ou a virada para o ano novo. Ele acompanha de longe alguns causos que colecionava das celebridades, como escândalos de traição, e mistura com detalhes das vidas de seus familiares, como a mania do seu tio de sempre trazer peixe ou a eterna busca de sua tia solteirona por um bom partido.

A parte familiar se sai muitíssimo bem. Ela é aconchegante e faz lembrar de nossa própria família, mesmo que em outra época e sem ser judia. Se trata da atmosfera capturada pelos olhos de uma criança. Eu já me lembrava de cenas do filme quando eu mesmo o assista com meu pai na televisão, mas não entendia metade da piadas.

Mas este não é um filme difícil se você é adulto. Ele é um pouco do ar que Allen respirou quando criança. O filme é doce ao mesmo tempo que esperto. E deixa alguns bons momentos.

Quando uma das celebridades se questiona se as gerações futuras irão se esquecer deles. E Allen completa com um “a voz deles foi ficando cada vez mais baixa”. Ele diz não só dos famosos, mas de sua própria família. Quem diria poder extrair tamanha emoção em um filme Woodiano sobre família.

Imagens e créditos no IMDB.

Radio Days. EUA, 1987. Escrito e dirigido por Woody Allen. Com Woody Allen como o narrador, Wallace Shawn como Vingador Mascarado, Hy Anzell como Sr. Waldbaum, Seth Green como o jovem Joe, Danny Aiello como Rocco, Jeff Daniels como Biff Baxter, Mia Farrow como Sally White, Julie Kavner a mãe, Diane Keaton como a cantadora do Ano Novo (!)..