A Hora da Zona Morta

2014/03/01

Filmes do Cronenberg (A Mosca, Cosmópolis, Videodrome) são projetos que fazem o espectador pelo menos pensar minimamente no assunto, mesmo que esse assunto seja uma história saída da mente fantasiosa de Stephen King, como é o caso desse A Hora da Zona Morta. De certa forma, o fato da história girar em torno de eventos sobrenaturais em nada prejudica o drama implícito contido na vida perdida de um homem que ficou cinco anos em coma após um acidente. A vida que ele poderia ter tido nunca mais será obtida de volta, pois agora ele é uma celebridade por conseguir enxergar eventos relevantes do passado/presente/futuro das pessoas que encosta a mão. Tanta intimidade com estranhos o torna um estranho para seus entes queridos. Um plot filosófico dos melhores, e que o roteirista Jeffrey Boam (Indiana Jones e a Última Cruzada) consegue conduzir sem lidar com detalhes demais para ofuscá-lo.

Esse drama por si só já valeria a experiência cinematográfica, mas o que a torna algo mais com certeza é o ato final que envolve o futuro de um político e que curiosamente remete a uma rima fabulosa com a atual série House of Cards, que lida com o destino manipulado de inúmeras maneiras. A questão que o filme coloca para o espectador — “o que você faria no meu lugar?” — é garantidor de um lugar especial na filmografia de Cronenberg, um diretor que realiza trabalhos densos sem se preocupar em confundir o espectador. Os mais espertos conseguirão ler nas entrelinhas sem problemas.

★★★★☆ The Dead Zone. USA, 1983. Direction: David Cronenberg. Script: Jeffrey Boam. Stephen King. Cast: Christopher Walken. Brooke Adams. Tom Skerritt. Herbert Lom. Anthony Zerbe. Colleen Dewhurst. Martin Sheen. Nicholas Campbell. Sean Sullivan. Edition: Ronald Sanders. Cinematography: Mark Irwin. Soundtrack: Michael Kamen. Runtime: 103. Ratio: 1.85 : 1. Gender: Horror. Category: movies

Share on: Facebook | Twitter | Google