A Hora da Zona Morta

Mar 1, 2014

Imagens

Filmes do Cronenberg (A Mosca, Cosmópolis, Videodrome) são projetos que fazem o espectador pelo menos pensar minimamente no assunto, mesmo que esse assunto seja uma história saída da mente fantasiosa de Stephen King, como é o caso desse A Hora da Zona Morta. De certa forma, o fato da história girar em torno de eventos sobrenaturais em nada prejudica o drama implícito contido na vida perdida de um homem que ficou cinco anos em coma após um acidente. A vida que ele poderia ter tido nunca mais será obtida de volta, pois agora ele é uma celebridade por conseguir enxergar eventos relevantes do passado/presente/futuro das pessoas que encosta a mão. Tanta intimidade com estranhos o torna um estranho para seus entes queridos. Um plot filosófico dos melhores, e que o roteirista Jeffrey Boam (Indiana Jones e a Última Cruzada) consegue conduzir sem lidar com detalhes demais para ofuscá-lo.

Esse drama por si só já valeria a experiência cinematográfica, mas o que a torna algo mais com certeza é o ato final que envolve o futuro de um político e que curiosamente remete a uma rima fabulosa com a atual série House of Cards, que lida com o destino manipulado de inúmeras maneiras. A questão que o filme coloca para o espectador — “o que você faria no meu lugar?” — é garantidor de um lugar especial na filmografia de Cronenberg, um diretor que realiza trabalhos densos sem se preocupar em confundir o espectador. Os mais espertos conseguirão ler nas entrelinhas sem problemas.

Wanderley Caloni, 2014-03-01. A Hora da Zona Morta. The Dead Zone (USA, 1983). Dirigido por David Cronenberg. Escrito por Jeffrey Boam, Stephen King. Com Christopher Walken, Brooke Adams, Tom Skerritt, Herbert Lom, Anthony Zerbe, Colleen Dewhurst, Martin Sheen, Nicholas Campbell, Sean Sullivan. IMDB.