A Máfia Mata Apenas no Verão

Um filme político disfarçado de comédia com crianças. De quebra, usa o velho clichê de inserir acontecimentos reais sobre a máfia de Palermo, mortes reais, dentro de um romance, tentando ligá-lo, mas sem muito grude. Falta alguma originalidade no contexto dessa história.

Dirigido por Pif, que também é ator, a introdução e todo o filme é narrado por Arturo (o próprio Pif) como o conto da mulher inalcançável porque nunca teve coragem de se declarar. A mulher, Flora (Cristiana Capotondi), não se sabe se ela gosta de Arturo quando adulta, se teve uma pequena queda por ele quando menina, ou se está apenas fazendo o velho jogo da sedução. Ela simplesmente não se importa, e faz questão de dizer isso para o espectador, com seu jeito despojado e interessado apenas na política.

Não à toa. Seu pai é um dos responsáveis por lutar contra a máfia na região de Palermo, enquanto Arturo é o espermatozoide que chegou atrasado e que conseguiu fecundar o óvulo de sua mãe porque os outros fugiram, assustados com um tiroteio de mafiosos.

Brincando com piadas inocentes bem ao estilo filme italiano, e lembrando a estrutura clássica de filmes como Cinema Paradiso, A Máfia Mata Apenas no Verão acerta em seu tom, mas se perde em sua trama, pois ela é vaga, e tenta ligar-se demais à realidade política da região, usando tomadas mescladas entre ficção e realidade (“Forrest Gump”).

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2016-04-10. A Máfia Mata Apenas no Verão. La mafia uccide solo d'estate (Italy, 2013). Dirigido por Pif. Escrito por Michele Astori, Pif, Marco Martani. Com Cristiana Capotondi, Pif, Alex Bisconti, Ginevra Antona, Claudio Gioè, Barbara Tabita, Rosario Lisma, Enzo Salomone, Maurizio Marchetti. imdb