A Morte Passou Perto

Primeiro longa de Kubrick é noir de linha de produção

Não uma tentativa de noir e suspense de Kubrick, essa produção lembra muito mais os filmes encomendados pelas grandes produtoras procurando explorar um nicho crescente (exatamente como é feito hoje). É quase que a mesma experiência em Spartacus, onde o diretor pegou o barco andando e tocou o projeto megalomaníaco de Kirk Douglas com maestria e entregou todo o potencial da história para as telas. No entanto, aqui não há grande potencial, e apesar de ter sido escrito pelo próprio Kubrick, demonstra um amadorismo latente em sua construção de narrativa, usando por exemplo o velho artifício de iniciar pelo protagonista no fim narrando os acontecimentos.

Mesmo assim, há que se dar créditos por detalhes que divertem enquanto criam uma certa quebra de expectativa interessante em certos desencontros. Isso e o mistério por trás da personagem da menina inocente que trabalha em uma casa de dança e cujas intenções ficamos sempre em dúvida. A música tema ainda incita uma volta completa em torno desses acontecimentos, evitando ao máximo que consigamos prever qual será a decisão da moça. Sem contar, é claro, a sequência de perseguição final, onde daí temos algo digno de nota pela capacidade de Kubrick (ou seu editor) de gerar um alguns momentos de pura adrenalina.

Não um grande filme, mas longe de ser um desastre.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2013-10-19. A Morte Passou Perto. Killer's Kiss (USA, 1955). Dirigido por Stanley Kubrick. Escrito por Stanley Kubrick, Howard Sackler. Com Frank Silvera, Jamie Smith, Irene Kane, Jerry Jarrett, Mike Dana, Felice Orlandi, Shaun O'Brien, Barbara Brand, David Vaughan. imdb