A Outra História Americana

Este não é um filme sobre nazismo, mas sobre fanatismo. Pessoas fanáticas a respeito dos mais diversos assuntos: política, religião ou (coloque aqui sua doutrina). Quer assistir um filme sobre os males do fanatismo? Assista A Outra História Americana. É um filme didático, mas não explícito. Sua sutileza reside nas simples expressões do dia-a-dia como resposta a situações das mais prosaicas, como um almoço de família. Porém, a mensagem é clara.

Clara, mas não fechada. Sabemos que o preto-e-branco pode representar simplesmente o passado de Derek Vinyard (Edward Norton), um jovem que se tornou um influente nazista em seu bairro, onde ações afirmativas da comunidade negra foram se tornando mais frequentes. Quando dois jovens (negros) tentam roubar seu carro, um duplo-homicídio ocorre e Derek acaba na prisão por três anos. Nesse meio-tempo, aprende que a realidade pode ser muito diferente do primário discurso anti-semita que aprendeu a venerar. No dia em que ele é solto as cores aparecem. O que significam? Seria apenas um simbolismo da visão deturpada de Derek a respeito do seu mundo limitado e simplista onde a culpa sobre todos os males pode ser identificada objetivamente a um grupo por sua etnia? O filme não explica o suficiente, deixando nas nossas mãos essa tarefa.

Porém, essa tarefa é até simples comparada a uma maior e mais complexa: interpretar a moral de sua história, história essa narrada pelo seu irmão caçula Danny (Edward Furlong), que tem 24 horas para entender a transformação pelo qual seu irmão passou de forma a balancear sua noção do que é certo e errado. Assim como o texto que ele escreve defendendo o ponto de vista da biografia de Hitler é jogado fora por seu professor — que acompanha de perto a evolução do ódio em ambos os irmãos — toda a sua juventude onde foram martelados os dogmas da doutrina nazista terão que ser recicladas. O filme implanta uma pista do que virá em seu trágico final logo no seu início, o que pode em uma revisita se tornar uma rima tanto cruel quanto poética. Porém, se toda essa crueldade já não foi percebida na primeira cena do filme — onde a câmera lenta e o p&b geram uma espécie de poesia em movimento — onde sabemos de antemão o triste destino da pessoa caída na calçada, é porque o filme merece ser revisitado outras vezes.

Pelo menos até que nossa visão moral durma com a consciência tranquila.

★★★★☆ Wanderley Caloni, 2014-02-26. A Outra História Americana. American History X (USA, 1998). Dirigido por Tony Kaye. Escrito por David McKenna. Com Edward Norton, Edward Furlong, Beverly D'Angelo, Jennifer Lien, Ethan Suplee, Fairuza Balk, Avery Brooks, Elliott Gould, Stacy Keach. imdb