A Pele

Quem é Diane Arbus? Com um objetivo um tanto curioso o filme de Steven Shainberg nos transporta em uma espécie de realidade alternativa onde a fotógrafa vivida por Nicole Kidman não só transfere sua inspiração e rédeas de seu processo criativo para o circense Lionel Sweeney (Robert Downey Jr.), que sofre de Hipertricose, como sugere que ele seria o (único) fruto da necessidade da artista de enfocar constantemente em seus trabalhos pessoas com algum tipo de deformação anti-natural.

O mais bizarro, no entanto, no roteiro escrito a quatro mãos por Erin Cressida Wilson e Patricia Bosworth é que desde o início não temos qualquer pista significativa que nos transporte para o mundo interno em que aparentemente vivia a fotógrafa. Há pequenas menções em poucos diálogos que sugerem algum tipo de fetichismo, mas isso é tão pedestre que não chega a ser sequer o foco na história.

O foco, por incrível que pareça, é apenas o fato de Lionel ter a deformidade no crescimento do seu pelo. Isso se transforma na história de fato, e mesmo que sirva de gancho na inspiração de Diane, nunca parece ser determinístico para que ela realmente se transforme a partir daí em uma artista não-convencional, aparecendo sempre como uma coadjuvante fascinada pelo que vê, mas nunca capaz de comunicar isso através de sua primeira câmera.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2012-12-30 imdb