A Vida Marinha com Steve Zissou

A Vida Marinha e Terrestre por Wes Anderson. Esse é o diretor que brinca com cenários paralelos e movimentos geométricos de câmera e revela sem nenhum pudor a excentricidade de seus personagens. Do ponto de vista da narrativa, ele brinca também com eles – seus personagens – como curiosidades dignas de serem abertas e analisadas através da inteligência de seus idealizadores – os atores – e como a interação entre eles revela isso é o mais interessante em sua cinematografia.

Dito isto, o fato desse roteiro ter sido escrito em conjunto com Noah Baumbach, um exímio manipulador de personagens com crises existenciais e pouca emoção (Frances Ha), bate de frente com a trama principal: seu protagonista, o oceanógrafo Steve Zissou (Bill Murray), vive uma crise de identidade ao descobrir que tem um filho de 30 anos (Owen Wilson) e que sempre foi em sua vida um mesquinho egoísta, levando toda sua equipe marítima por um caminho desenhado para projetar seu gigantesco ego por todas as partes do seu barco, seus filmes e sua própria filosofia. A maneira com que ele vai se dando conta de seu comportamento reprovável é através da perda de seu companheiro, Esteban (Seymour Cassel), comido por um tubarão raro. Planejando sua vingança contra o tubarão – independente deste pertencer a uma espécie em extinção – diferentes pessoas, cada um com seu grau de incompetência, organizará uma missão com duplo significado: desvendar uma farsa externa, a história da morte de seu amigo (que é visto com desconfiança pelo público e críticos de seu trabalho, sempre ansiosos pelo momento em que ele será desmascarado por seus filmes fajutos) e uma farsa interna, pois Zissou, e isso graças a Murray, acredita piamente ser tudo o que diz ser: um líder nato com uma equipe que o venera. Faz questão de filmar todos os momentos – geralmente na segunda tentativa – para demonstrar ao mundo como ele é, ou deveria ser.

A participação de Owen Wilson como seu filho bastardo é detalhista em sua origem simples. A maneira como ele larga (ainda que temporariamente) sua carreira de piloto para se dedicar com o pretenso pai embaixo do mar é tão significativa que seria desnecessário observarmos seus trejeitos interioranos, mas isso o torna um personagem completo.

Outro personagem de destaque é o braço-direito de Zissou, Klaus Daimler (Willem Dafoe), igualmente incompetente, e que sente-se ameaçado perante a presença do filho de seu mestre. As expressões de pânico de Dafoe também constroem um personagem singular, mesmo que caricato.

Mas o que dizer de caricato quando o próprio Bill Murray usa e abusa de suas expressões características. Elas, porém, veem acompanhadas de um ar arrogante impenetrável em sua personalidade, conseguindo entregar todo o lado Murray de ser para seu Steve Zissou.

De quebra e de brinde, temos Seu Jorge (sim!) tocando e cantando palhinhas de músicas adaptadas para o português. E ele é um personagem da equipe e seu nome é Pelé (provavelmente um nome que o próprio Zissou colocou, como mais tarde ele tenta com o pretenso filho).

O filme se torna ainda mais interessante com essa dualidade com que Anderson argumenta até o fim, sempre apresentando criaturas do mar obviamente inventadas e estilizadas, como um cavalo-marinho que lembra um origami, mas levando a sério cada passo da equipe em sua missão. Parece que a farsa que testemunhamos existe na realidade do filme, mas parece impenetrável pelas pessoas que nela habitam. Resta apenas ao espectador dar risada dessa situação cômica, e a maneira sóbria com que cada detalhe é tratado o torna hilário sem forçar um só momento. Apenas a existência dos personagens é o suficiente.

Como sempre com uma fotografia, direção de arte e efeitos invejáveis nas produções do diretor, A Vida Marinha com Steve Zissou parece até uma grande crítica ao modelo National Geographic de ser, sempre inventando uma história que parece real em um cenário, diálogos e pessoas que mais parecem atores. Algo muito propício nos dias de hoje, onde até E.T.s são encarados como uma realidade em nossa volta. Em um canal de ciência.

★★★★☆ Wanderley Caloni, 2016-01-09. A Vida Marinha com Steve Zissou. The Life Aquatic with Steve Zissou (USA, 2004). Dirigido por Wes Anderson. Escrito por Wes Anderson, Noah Baumbach. Com Bill Murray, Owen Wilson, Cate Blanchett, Anjelica Huston, Willem Dafoe, Jeff Goldblum, Michael Gambon, Noah Taylor, Bud Cort. imdb