Ace Ventura - Um Detetive Diferente

Jim Carrey possuía uma energia invejável. O seu timing cômico e sua atuação de exageros é responsável por praticamente todo Ace Ventura, o filme. Note como ele caminha na ponta dos pés de fininho e mastiga sementes de maneira completamente idiota, acumulando as cascas na mesa de sua cliente. Quando oferecido um cinzeiro, responde: “obrigado, eu não fumo; este é um ato nojento”.

Este é um filme que tenta seguir os passos de personagens como Pantera Cor de Rosa, Agente 86, Mr. Magoo e Colombo, só que sob o efeito de esteroides. Ace Ventura possui a afinidade com animais o suficiente para entendermos seu desprezo pela raça humana (exceto mulheres bonitas). Ou, melhor dizendo: o desprezo pelo lado pomposo e inútil da humanidade, que tenta vender uma imagem para fazer de ridículo os que não a seguem.

Como toda comédia do absurdo, o herói faz tudo que é condenável. Ele se comporta de maneira aloprada, às vezes nem consegue balbuciar frases inteligíveis. Porém, ele sustenta dezenas de animais em sua casa com o aluguel vencido, em uma típica tentativa de ganhar nossa simpatia, mesmo sendo a figura horrenda e bizarra de um animal.

Com uma direção que lembra séries policiais dos anos 80 (incluindo a trilha sonora), e um roteiro semi-inteligente, pois apela para resoluções absurdas demais, o que resta são as gags, que são aproveitadas ao máximo por Carrey, em um de seus papéis clássicos.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2016-05-29 imdb