Aggretsuko

Esta é uma série reciclada pela Netflix. A original tinha 100 episódios de duração bem curtinha, 1 minuto cada, e esse tem 10 de duração do tamanho padrão de sitcoms (20 minutos). Ela conta a história de Retsuko, uma das inúmeras mascotes da Sanrio (responsável por personagens fofinhos como Hello Kitty, Keroppi, entre outros). Ela trabalha em um escritório de contabilidade opressor ao máximo, mas é sua vida, e para vivê-la ela precisa do Karaokê no fim do dia, onde curte extravasar todo seu ódio pela sua rotina em uma canção de heavy metal cuja letra é puro catarse.

A grande sacada da série é explorar tanto o lado feminino da protagonista quanto seus desafios na vida de escritório, que batem hormonalmente em muito com a vida de muitas mulheres que hoje são independentes e trabalham para se sustentar e sustentar suas famílias. Não é de hoje que se sabe que mulheres são mais complicadas em lidar com pressão, ou reagem de maneira diferente em ambientes de pura hostilidade como o escritório onde Retsuko trabalha, onde os estereótipos de uma versão asiática The Office convivem. Há o chefe imbecil que não faz nada exceto exercitar para o jogo de golfe e deixar todos apreensivos, seu puxa-sacos natural, as criaturinhas que estão alheias a tudo isso e também se aproveitam da disponibilidade de Retsuko para resolver seus próprios problemas. Enfim, toda uma gama de situações que justificam todo o ódio que ela alimenta e descarrega todos os dias em seu karaokê noturno.

O design dos personagens é realmente fofinho, e é isso que torna tudo muito mais engraçado. Uma Retsuko dramática não conseguiria extrair toda a tragicomédia de uma Retsuko com mil e uma formas de alterar seu rosto, com os toques tão característicos dos animes japoneses em colocar detalhes nos rostos de seus personagens quando seu humor se altera.

Sem ter a menor condição de evoluir qualquer história sem trair o princípio da história, Aggretsuko se retorce e faz nascer em seu terceiro ato um dos momentos mais maduros que um anime fofinho poderia ter: uma análise visual e visceral da paixão. E junto dela, o porquê que toda e qualquer mulher deveria se ver do lado de fora dessa doença.

Não se engane, não é um desenho fofinho para crianças. É um desenho para mulheres se divertirem ao final do fastidioso dia no escritório.

★★★★☆ Wanderley Caloni, 2018-05-16. Aggretsuko. Série criada, digirida e roteirizada por Rareko. IMDB.