Algo de Novo

Esta comédia italiana sobre o mundo feminino de meia-idade brinca entre os estereótipos da moça séria que quer achar o cara sério depois da desilusão de sua vida e sua amiga mãe solteira que fala em poder ficar sem encostar nos homens como um copo de uísque para um alcoólatra. Sua maior virtude são as duas atrizes por trás dessas duas “garotas” problemáticas. Elas parece especialistas em fazer comédia. Não são exageradas além do limite apesar de conhecer os limites para comédias românticas. O rapaz que contracena com elas está aí para mostrar o oposto, de que o exagero sempre prejudica o equilíbrio das relações.

Mas não podemos culpá-lo, são seus hormônios. Ele tem 20 anos a menos que as moças com quem se relaciona.

Criando uma comédia de situação no começo para depois desenvolvê-la como dois romances paralelos, o filme da diretora Cristina Comencini quer divertir com muita música e diálogos engraçados. Quase todas as piadas são eficientes, apesar de batidas. A participação das atrizes faz toda diferença. Principalmente uma delas que canta como ninguém. Seus números são sempre diferentes e parecem dialogar com sua melhor amiga, embora ela nunca falaria isso diretamente, mesmo conversando no celular por horas a fio. Sua amiga pode ser resumida na cena onde a vemos sendo perseguida no elevador por um tio de moicano fascinado por ela. Ela não lembra dele, mas ele lembra muito bem dela. E não será o único no filme. Ela é a perfeita amante: com amnésia. Mas por algum motivo faz os homens sempre voltarem. Apesar de nossa era liberal, não deve estar fácil achar mulheres maduras boas de cama.

Já a cantora faz o que é esperado que faça depois da desilusão com um tocador de saxofone: se manter distante, frígida e com o cabelo preso (apesar de linda). Ela se dedica à sua amiga, a única relação que está funcionando. Ela gosta de dar conselhos para ela apesar de não ter nenhum para si mesma. Mas uma brincadeira inocente faz com que ela fique com um dos amantes de sua amiga. Provavelmente o mais jovem deles. A juventude então parece fazê-la voltar a estar viva. Bem viva.

A inversão de papéis que é feita nesse ménage acidental soa clichê, mas diverte. Uma comédia leve que passa rápido. Acidental, não tem muito o que dizer. Apenas ser engraçadinha e esquecível.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2017-12-14 imdb