Annabelle

Annabelle é um spin-off de uma pequena personagem com um pequeno papel em Invocação do Mal, de James Wan (da série Jogos Mortais). O filme original retrata um casal de médiuns que coletam objetos relacionados com atos demoníacos, e a boneca homônima é um deles, pois foi protagonista em um evento dos anos 60. Esses detalhes são completamente irrelevantes para o resultado final, pois Annabelle tem outra direção (John R. Leonetti, do péssimo Efeito Borboleta 2), outro roteirista (o semi-estreante Gary Dauberman) e apenas a mão na produção de James Wan, que entrega um trabalho plasticamente interessante, mas sem alma.

Embora o filme seja recheado de cenas de susto com o batidíssimo recurso do som mais alto e uma trilha sonora quase que trash, há alguns momentos interessante. Um deles com certeza é o assassinato dos vizinhos logo no início. Iniciando através da janela do jovem casal, toda a longa sequência que se passa no térreo causa tensão. Primeiramente porque é uma sequência em que não há cortes entre o momento em que a esposa, Mia (Annabelle Wallis), vai ver o que aconteceu com seu marido John (Ward Horton) e o momento em que ela volta para o quarto onde estão as bonecas que coleciona. Em segundo porque a imprevisibilidade inicial é algo que chama a atenção.

Infelizmente, a partir daí o que se sucede é uma coletânea de sustos parecidos e sem imaginação. Não há alma, como eu disse, embora o demônio do filme anseie por uma. Pelo jeito nem o demônio tem muitos motivos para continuar acompanhando esse insosso casal.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2015-01-18 imdb