Antes da Meia-Noite

Jun 27, 2013

Imagens

A grande sacada dos filmes que acompanham as conversas entre Jesse (Ethan Hawke) e Celine (Julie Delpy) — o ótimo Antes do Amanhecer, o excelente Antes do Pôr-do-Sol e este fabuloso Antes da Meia-Noite — é que os textos dos diálogos soam naturais, acontecem em uma ordem elegantemente cadenciada e são surpreendentemente relevantes durante todo o tempo, instigando a nossa percepção de realidade e fazendo nosso cérebro não conseguir parar de pensar nas questões tão atuais e filosóficas. Vivenciarmos esses breves momentos que exploram a vida real de maneira tão intensa no Cinema faz com que a quarta parede que nos separa dos personagens se rompa e nos atire para dentro de uma discussão existencialista qualquer, mas que ganha um contorno fascinante por estar sendo discutido com brilhantismo por este adorável casal.

Iniciando este terceiro ato no aeroporto durante a despedida de Jesse e seu filho do antigo casamento Hank (Seamus Davey-Fitzpatrick, o ponto fraco da introdução), o hábil diretor Richard Linklater logo explora a presença dos três filhos em frente à câmera de forma a demonstrar sem palavras a intromissão dessas pequenas criaturas na vida a dois de seus pais. Não é à toa, portanto, que a longa conversa inicial no carro tenha como centro — metafórico e no enquadramento — não seus participantes, mas uma linda menina que dorme e se move conforme as curvas da estrada, e que justamente quando acorda, ao abordar duas questões pontuais — uma delas envolvendo simbolicamente uma maç㠗, deixa claro que ser pai e mãe é um aprendizado constante na vida dos dois.

Aliás, a leveza com que se constrói a narrativa é digna de elogios. Boa parte desse feito pode ser atribuído ao ambiente escolhido: a iluminada Grécia, fonte de todo o drama e filosofia que o Ocidente continua bebendo. Ironicamente e sabiamente, a crise econômica recente a coloca também em um clima de instabilidade que faz eco com seus personagens e seus conflitos.

Se tornando um brinde ao espectador que acompanhou a despedida de Antes do Pôr-do-Sol torcendo pelo casal e ao mesmo tempo um desapontamento por não acompanharmos suas vidas durante os nove anos que se passaram, a sequência criada pelo trio Linklater/Delpy/Hawke explora momentos dos dois longas anteriores sem deixar confuso aquele que está vendo os personagens pela primeira vez na vida. No entanto, que pecado não tê-los visto antes! Sempre me assombra como as cerca de seis horas acompanhando o casal parecem tão curtas, o que encontra um ponto de suporte no discurso final à mesa de uma senhora que, tendo perdido o marido, confabula sobre como as picuinhas de casal não são nada frente à efemeridade da vida; se levarmos a própria vida ao pé da letra, estamos apenas de passagem. Esse momento é tão lindo por conseguir unir uma visão poética da vida real com a visão narrativa dos três filmes, pois tanto a vida quanto o Cinema são breves demais para tamanho deslumbramento.

Outra grande sacada dos roteiros envolvendo o instigante casal é que a sua natureza parte das discussões comuns que ocorrem a todo momento entre pessoas da vida real, o que engrandece ainda mais a nossa identificação. Mais ainda, seus questionamentos filosóficos envolvendo a passagem do tempo e todas as consequências que dela deriva, também fazem parte daquele lugar comum que todos nós um dia ou outro pensamos. A grande vantagem de ouvirmos Jesse e Celine é poder catalisarmos nossas frustrações naqueles personagens e verbalizarmos tudo o que inconscientemente sentimos. Tal como um filme que o espectador gosta sem saber por que, a vida se torna mais clara sem entendermos ao certo. Falar sobre a própria vida ou sobre a arte parece ganhar significado.

Se houvesse um grande defeito que eu poderia reclamar das experiências do casal do Amanhecer seria que seus filmes acabam cedo demais. Talvez um aviso necessário de que a vida, por mais pesada que às vezes pareça, é uma simples e breve passagem de e para toda a eternidade.

Wanderley Caloni, 2013-06-27. Antes da Meia-Noite. Before Midnight (USA, 2013). Dirigido por Richard Linklater. Escrito por Richard Linklater, Julie Delpy, Ethan Hawke, Richard Linklater, Kim Krizan. Com Ethan Hawke, Julie Delpy, Seamus Davey-Fitzpatrick, Jennifer Prior, Charlotte Prior, Xenia Kalogeropoulou, Walter Lassally, Ariane Labed, Yiannis Papadopoulos. IMDB.