Assassination Classroom

2015/12/28

A Lua explode mais que a metade, tornando-a eternamente minguante. Alguém diz que os pobres precisam existir para que os ricos consigam explorá-los. Por isso que ainda existe uma das piores salas de aula do Japão, e é por isso que a criatura por trás da explosão da Lua é enviado para lá.

Essa criatura que lembra um polvo amarelo com uma cara feliz faz um acordo com o governo do Japão, que em contrapartida segura as pontas com todo o planeta. Ele irá explodir a Terra como fez com a Lua, mas antes irá dar aula para essa turma, e eles poderão tentar matá-lo. Se conseguirem, salvarão toda a humanidade. O problema é que ela se move em uma velocidade muito alta, e todos os projéteis e facas e artimanhas apontadas para ela parecem inúteis.

Essa é a premissa básica por trás de Assassination Classroom, originalmente uma série de mangá ilustrado e escrito por Y¿sei Matsui que posteriormente foi traduzido para um anime, um vídeogame, e agora um longa-metragem live-action com efeitos mais convincentes que sua história. Analisando os originais, fica logo óbvio que o objetivo do diretor Eiichirô Hasumi é transpor quadro a quadro a experiência de um grupo de alunos tentando de todas as formas matar um professor carismático que vai aos poucos transformando a classe de fracassados em exímios assassinos com notas altas em todas as matérias.

Para florear um pouco mais a história, o roteiro de Tatsuya Kanazawa desiste de destacar qualquer aluno daquele grupo homogêneo – tirando um romance bobo e descartável entre alunos de salas diferentes e um ex-aluno violento que batia em bullies – e provavelmente utiliza figuras conhecidas do mangá/anime, como uma professora-assassina-bitch, uma arma militar baseada em inteligência artificial e que toma a forma de uma estudante (e um app no celular), além de um garoto baixinho e aborrecido que só repete que é mais forte que todos e que por isso irá derrotar o professor que destruiu a Lua.

Para tornar a coisa mais clichê, apresenta também um treinador militar que se torna o vilão oficial da história simplesmente porque sim. Acostumado a abusar de seus soldados, aparentemente isso é cruel demais para com os jovens de uma sala de aula que contém um terrorista mundial como instrutor.

Se tornando interessante boa parte do tempo durante apresentações de novos personagens e novas artimanhas da equipe de assassinos, o que é um feito e tanto se considerarmos sua premissa mais que absurda, Assassination Classroom tropeça feio apenas em seu terceiro ato, onde cria um conflito bobo envolvendo o tal militar cruel e evita finalizar sua história com qualquer conclusão que preste, utilizando a já conhecida tendência dos filmes de fantasia de hoje em dia que nunca acabam realmente, sempre tentando vender mais ingressos/page views para frente.

★★★☆☆ Ansatsu kyôshitsu. Japan, 2015. Direction: Eiichirô Hasumi. Script: Yûsei Matsui. Tatsuya Kanazawa. Cast: Okuma Anmi. Wakana Aoi. Shôta Arai. Tanaka Nichinan Ayano. Ozawa Guami. Miyahara Hana-on. Kanna Hashimoto. Riku Ichikawa. Jiyoung Kang. Soundtrack: Naoki Satô. Runtime: 110. Ratio: 2.35 : 1. Gender: Adventure. Category: movies

Share on: Facebook | Twitter | Google