Atividade Paranormal 2

Wanderley Caloni, November 7, 2010

Assim como o primeiro filme, essa continuação tenta passar a impressão documental através de uma mensagem da produtora agradecendo os envolvidos pelas cenas que veremos a seguir. Apesar desse aviso deixar sua devida pulga na orelha, não é uma solução que por si só baste, dependendo principalmente da competência da narrativa em introduzir a sensação de que o que estamos vendo são filmagens realizadas de forma caseira e que relatam acontecimentos verdadeiramente inexplicáveis.

Felizmente, o filme alcança esse objetivo.

Tendo no início a casa invadida, a família decide instalar câmeras de segurança para sua proteção, em especial do bebê do casal, que adiciona fragilidade e vulnerabilidade ao ambiente. Partindo de uma quase paranoia, essas câmeras espalhadas por toda a casa passarão aos poucos essa sensação para nós mesmos, que iremos tentar dia e noite localizar qualquer fato anormal registrado por elas.

Além disso, uma câmera caseira, usada quase sempre para gravar os primeiros passos de Hunter, o bebê mencionado, proporciona um pouco mais de dinamismo nas cenas, como quando a mãe o filma no quarto, uma cena que inicia pela câmera de segurança e termina comandada por suas mãos. Mesmo com limitações para esse tipo de criação, é um bom sinal que o filme confie na capacidade do espectador de criar as sequências em poucos ângulos, além da própria edição feita pelo diretor nos deixar confiantes de que não perderemos nada de importante que possa acontecer.

Fora os aparatos técnicos para tornar essa continuação mais apavorante, o que continua a funcionar muito bem é o medo e imaginação de quem assiste, sempre pronto a fazer o serviço sujo de criar sons e sombras muitas vezes inexistentes. Condição natural de nosso corpo em alerta, quem nunca saiu sorrateiramente do recinto ao presenciar uma panela caindo inexplicavelmente por duas vezes seguidas, ou algum outro acontecimento aparentemente sem explicação?

Porém, basta alguma novidade acontecer para aparecer à superfície o nosso lado cético, aqui representado pelo pai da família, que persiste em ridicularizar a explicação sobrenatural para tais acontecimentos.

Mesmo que no filme exista uma sub-explicação pesquisada pela filha do casal, que imagina existir um demônio na casa perseguindo o irmão mais novo, nada disso importa nos momentos de maior tensão, quando descobrir a origem de tudo é irrelevante, e essencial é saber onde se encontra o sobrenatural, busca essa demonstrada tão bem em uma cena no porão, onde tentamos de forma inútil achar lógica nos contornos bizarros das tranqueiras que ali repousam.

E mesmo que a conclusão (que não vou revelar aqui) talvez peque pelo excesso, ela consegue convencer ao ponto de encontrarmos ligações com o primeiro filme, em uma espécie de lupa que não aumenta apenas o significado da história, mas a sensação de desconforto em sair da sala de projeção.

Imagens e créditos no IMDB.
Atividade Paranormal 2 ● Atividade Paranormal 2. Paranormal Activity 2 (USA, 2010). Dirigido por Tod Williams. Escrito por Michael R. Perry, Christopher Landon, Tom Pabst, Michael R. Perry, Oren Peli. Com David Bierend, Brian Boland, Molly Ephraim, Katie Featherston, Seth Ginsberg, Sprague Grayden, William Juan Prieto, Jackson Xenia Prieto, Micah Sloat. ● Nota: 3/5. Categoria: movies. Publicado em 2010-11-07. Texto escrito por Wanderley Caloni.


Quer comentar?