Azul é a Cor Mais Quente

É um filme de temática gay, e isso fica bem claro na forma com que a relação entre Emma e Adèle é explorada em seus preconceitos, diferenças e… sexo. De verdade: ou o sexo é tão primordial ou ele é enfocado de forma tão exaustiva, quase pornográfica, que consegue nos tirar do filme. O diretor Abdellatif Kechiche acertou em cheio ao usar a proximidade da câmera no excelente O Segredo do Grão para determinar uma tensão crescente, tanto sexual quanto em seu suspense. Aqui essa proximidade é gratuita ou, mais uma vez, ele está explorando a beleza física da atriz Adèle Exarchopoulos sob todos os ângulos, posições e bocas. Só há algo que exagera mais em tela do que o sexo: o azul. Tanto azul que fica difícil interpretar qualquer simbolismo deixado pelo caminho.

Não que eu esteja reclamando. Nem do azul. Porém, como filme, e como romance, é uma decepção de três horas explícitas.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2013-12-23. Azul é a Cor Mais Quente. La vie d'Adèle (France, 2013). Dirigido por Abdellatif Kechiche. Escrito por Abdellatif Kechiche, Ghalia Lacroix, Julie Maroh. Com Léa Seydoux, Adèle Exarchopoulos, Salim Kechiouche, Aurélien Recoing, Catherine Salée, Benjamin Siksou, Mona Walravens, Alma Jodorowsky, Jérémie Laheurte. imdb