Batman: A Piada Mortal

A relação entre Coringa e Batman sempre foi um ponto alto do universo do herói, como vimos em Dark Knight (Christopher Nolan, 2008). Em “A Piada Mortal”, uma graphic novel específica de 1988, roteirizada por Alan Moore e ilustrada por Brian Bolland, essa relação já havia sido explorada de uma maneira bem peculiar.

A história (na animação) utiliza e apresenta a Batgirl como assistente do Batman, além de vítima de apaixonite pelo herói. Barbara Gordon, filha do comissário da cidade de Gothan, é uma bibliotecária com conhecimentos avançados na arte de hackear. Sua função na trama logo se revela: ser usada como gancho para um “experimento” social arquitetado pelo Coringa. A partir daí, um pesadelo é formado enquanto aos poucos descobrimos a origem do vilão mais famoso de Gothan City.

Apesar de diálogos inspirados, quase filosóficos, a respeito da visão de mundo do Coringa e como ele, diferente do cinismo de Batman, consegue conciliar sua realidade simplesmente ignorando a racionalidade – enquanto o cinismo do homem-morcego é relacionado de maneira curiosa com o seu eterno combate ao crime, que é apenas uma outra forma de fuga da realidade – somente ver esses personagens sem uma narrativa que envolva um conflito essencial acaba por tornar a experiência fascinante pelos personagens em si, mas vazia de conteúdo/história.

Sim, há o plano do Coringa, que é usado como pano de fundo. Porém, ele é sutil demais para soar como o grande conflito, já que acompanhamos ao mesmo tempo a história do seu passado. Talvez tenha havido uma tradução errônea do que funciona nos quadrinhos, mas insuficiente no Cinema.

Dessa forma, quando o filme acaba, a sensação que fica é que ele apenas começou, pois não houve ainda um conflito suficiente para que tentemos identificar onde está a trama. Se perde tempo demais com o flashback da vida do Coringa, que rivaliza com a história principal. Tudo faz sentido, mas a narrativa do diretor Sam Liu e o roteiro de Brian Azzarello parecem não entender que houve uma troca de mídia no caminho.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2016-08-07 imdb