Batman Begins

Wanderley Caloni, March 27, 2019

Batman Begins hoje é óbvio, mas para entender a verdadeira força desse reboot você precisa relacionar com um outro filme chamado Batman e Robin. Assista esse. Eu espero. Esse é o tamanho do gap que se formou entre as duas franquias.

Este é um filme que não apenas respeita a origem do herói da DC como mostra coisas que nunca vimos por completo nos quadrinhos, como a morte dos pais do jovem Bruce Wayne. É um trabalho completo que peca por não confiar no espectador e por ter todas as suas respostas mastigadas, além da incapacidade emocional típica dos trabalhos de Christian Nolan e David S. Goyer, mas agora devemos nos lembrar que é um blockbuster e inspirado nos quadrinhos. E você sabe como esse pessoal de quadrinhos pode ser lerdo ou querer os detalhes literais.

Christian Bale é o Batman mais completo dos cinemas, e por isso mesmo o mais boring, no sentido de previsível. Mas este é um roteiro de cartas marcadas, como toda origem deve ser. É o início de uma lenda, e como todo filme de origem, ele precisa começar tudo do zero e explicar ou reexplicar o incompreensível: por que alguém se veste de morcego e sai por aí se pendurando nos prédios e falando esquisito? Não ficamos sabendo, o personagem já existe. Agora em nova roupagem.

E é essa a verdadeira força de Batman Begins. Esqueça o pseudo-realismo digital de uma Ghotan representando as injustiças do mundo e suas consequências. Esqueça as lutas físicas e os apetrechos militares usados pelo anti-heroi. Batman é o símbolo de alguém que quer fazer alguma coisa, qualquer coisa, para melhorar o mundo. Ele parte dos seus medos e traumas de infância e usa suas montanhas de dinheiro e dedicação sobrenatural para conseguir. Ainda é um personagem de quadrinhos, mas que personagem!

Nos esquecemos por um momento da verossimilhança que o filme tenta passar. Ele nos engana por tempo o suficiente, uma hora para ser exato, antes que Bruce Wayne coloque sua capa e sem semblante assustador aterrorize os únicos que não sentem medo: os criminosos. O roteiro mantém algumas frases na manga para a segunda metade, onde os diálogos se repetem sob um novo prisma, e quando elas são ditas de novo é quando a lenda já começa a ser conhecida pelo povo de Ghotan.

Assim como Superman de Richard Donner e Homem-Aranha de Sam Raimi nasce uma lenda do Cinema, e não rimos dela, mas com ela. Essa é a mágica de super-heróis bem desenvolvidos sem toda aquela reverência boba dos filmes de hoje em dia da Marvel e da DC. São pessoas fantasiadas para o Carnaval, pelo amor de deus. Que haja uma forma de contextualizar isso no mundo real.

Esse trabalho de Nolan faz isso, e o faz de uma maneira que nos torne novamente fãs do homem-morcego sem nos esquecermos das diferenças de tom com os antecessores ou dos quadrinhos. O universo de heróis permite isso, e aqui a mudança de tom é usada para explorarmos um tema maior que a própria lenda: a origem da justiça. E aqui de verdade, ouviu Ben Affleck?

Imagens e créditos no IMDB.
Batman Begins ● Batman Begins. EUA, Reino Unido, 2005. Dirigido por Christopher Nolan, escrito por Nolan e David S. Goyer baseado nos personagens de quadrinhos de Bob Kane. Com Christian Bale, Michael Caine, Ken Watanabe, Liam Neeson, Katie Holmes, Tom Wilkinson, Cillian Murphy. ● Nota: 4/5. Categoria: movies. Publicado em 2019-03-27. Texto escrito por Wanderley Caloni.


Quer comentar?