Batman: O Retorno

Dec 10, 2017

Imagens

O tom gótico e fantasioso de Batman é algo a se considerar quando tentamos enxergar a lógica por trás dessas adaptações de Tim Burton para o Cinema. A nossa mente suscetível ao fantástico pode querer interpretar criaturas como Mulher-Gato ou Pinguim como criações semelhante a Homem-Aranha. Mas não se engane: são distúrbios psicológicos inseridos em uma distopia randiana onde os melhores são os piores. A máxima “dog eats dog” gera aberrações como Joker, Catwoman, Penguim e, claro, o Homem-Morcego.

Investindo muito mais no visual do que na narrativa, “Batman: o Retorno” é uma continuação do primeiro filme onde Batman já está estabelecido como uma espécie de justiceiro com moral duvidosa (ele pode fazer bem ou mal aos cidadãos de “Gothic” City). A cidade onde tudo passa lembra uma versão de Metropolis onde Ayn Rand fez parte das decisões arquitetônicas. Vemos estátuas gigantes exaltando o homem, com feições que lembram o jogo BioShock, e na prefeitura a figura icônica de Atlas erguendo o mundo. Este é um mundo onde crueldades podem ser feitas e ninguém liga, como assassinar uma secretária pela conveniência ou jogar seu próprio filho defeituoso no esgoto.

Para os que chegaram dos trabalhos de Christopher Nolan, este universo não lhe pertence. Tente imaginar uma versão diferente de Batman, que também existe nos quadrinhos. A versão televisiva dos anos 60 misturado com a mente criativa/doentia de Burton em torno da arte plástica dos conceitos teatrais por trás das capas de seus heróis e vilões.

Michael Keaton (Birdman) se resume apenas em observar. Ele parece quase tão fascinado quanto nós mesmos. Pelo menos suas sobrancelhas dizem isso. Seu Bruce Wayne é digno de respeito, mas seu Batman é apenas uma fantasia de luxo. E ele nem está na frente da competição quando Selina Kyle e Pinguim vestem suas personas.

Burton através do roteiro de Daniel Waters tenta aqui repetir o feito do primeiro filme, ligando política com grotesco (algo banal) e consequentemente a impunidade e a distorção de valores da sociedade. Pinguim se candidata a prefeito da cidade apoiado pelo grande corporativista que quer fazer uma obra faraônica com o dinheiro do povo. Danny DeVito e Christopher Walken se dão bem em suas caricaturas, assim como Michelle Pfeiffer e DeVito trocam momentos extremamente embaraçosos (e que não são feitos para crianças).

Aliás, se há aqui uma atuação que ainda não chegou a ser atingida é a de Pfeiffer como Selina Kyle. A escolha de Anne Hathaway na versão de Nolan a deixa completamente apagada (embora realista). Aqui Pfeiffer se diverte imensamente, e talvez complemente a única mensagem decente o filme inteiro: feminismo. Ela é massacrada por todos os lados, defende uma donzela em apuros e ainda comenta para ela: “você deixa as coisas tão fáceis para o Batman, não?”. É mais heroína que todos os homens deste filme juntos. O lado felino/sedutor de Kyle atinge seu máximo quando a vemos pular entre prédios sem medo de morrer. Ela de fato parece acreditar ter algumas vidas de sobra. E ela vive como se estivesse completamente liberta das amarras de uma cidade presa a conceitos bem definidos de bem ou mal.

Mas enquanto isso o filme de Tim Burton parece querer completar o arco do Pinguim, que sequer é um arco. A sensação é de que o filme viu o surgimento do Pinguim, assim como o Coringa do filme anterior, como a consequência da existência do Batman. DeVito está bem à vontade em seu papel. Ele não tem medo nenhum do grotesco aqui. Ele o abraça, mesmo que sua maquiagem o impeça de se mover muito. Mas note como isso é uma vantagem. Ele se move como um Pinguim!

“Batman: O Retorno” envelheceu mal. Mas continua sendo um belo filme. Ele é sutil em detalhes que os filmes de Nolan gritam (como a insistência de Alfred para que seu patrão arruma uma companhia) e não-sutil em seu plot megalomaníaco (como deve ser). Enfim, um filme de Tim Burton sobre super-heróis e super-vilões. Muito dark para as crianças de hoje em dia. Talvez até para as daquele dia.

Wanderley Caloni, 2017-12-10. Batman: O Retorno. Batman Returns (USA, 1992). Dirigido por Tim Burton. Escrito por Bob Kane, Daniel Waters, Sam Hamm. Com Michael Keaton (Batman / Bruce Wayne), Danny DeVito (Penguin / Oswald Cobblepot), Michelle Pfeiffer (Catwoman / Selina Kyle), Christopher Walken (Max Shreck), Michael Gough (Alfred Pennyworth), Michael Murphy (The Mayor), Cristi Conaway (Ice Princess), Andrew Bryniarski (Charles 'Chip' Shreck), Pat Hingle (Commissioner James Gordon). IMDB.