Batman de Tim Burton

Jack Nicholson é o primeiro nome que figura nos créditos iniciais de “Batman”, e não é à toa. Primeiro filme dirigido por Tim Burton para tentar reproduzir a visão dos quadrinhos para as telas – usando a imaginação “dark” de seu idealizador – o herói morcego se transforma quase em um mero coadjuvante de seu arqui-inimigo Joker/Coringa. Nicholson rouba a cena por causa do seu personagem ou apesar dele? Todas as pessoas nesse universo são mais ou menos caricatos, e o Coringa encabeça a lista sendo o mais bizarro deles. A persona de Batman, Bruce Wayne, aos poucos vai se aproximando de seu alter-ego morcego, mas nunca se confundem. Isso me parece uma série crise de identidade, mais séria que a de Coringa, que simplesmente quer se divertir sendo quem sempre foi: um fora-da-lei.

Para criar sua Gothan City, Tim Burton abusou de cenários pintados, fumaças para todos os lados, escuridão e sujeira. É uma Nova Iorque com graves problemas de segurança (algo não muito fora da realidade na época em que foi filmado). Porém, existem cores. Sombrias, claro. Há uma fascinação (ou perturbação) toda vez que a cara de Jack Nicholson aparece com aquele sorriso, esteja na cor da pele ou em branco. Michael Keaton é o bom rapaz, acima de qualquer suspeita, mas que não tem um passado. Não há emoção em seus movimentos, seja como o milionário Bruce Wayne ou como um morcego fantasiado. Sejamos honestos: não é uma construção lá muito original, mas funciona. (Futuramente foram feitas trocas de atores que interpretavam Batman da mesma forma que com James Bond; não vejo muitos problemas para esse personagem em específico.)

Porém, há muitas coisas injustificadas no filme. A violência que vemos é pré-juvenil, e Batman, por tabela, vira um herói pré-juvenil. Seu interesse amoroso, interpretado por Kim Bassinger, é meramente uma distração. Vemos ela de vez em quando tirando fotos para lembrar-nos que ela é fotógrafa, uma característica completamente descartável. Uma mansão gigantesca é administrada apenas por Alfred, um senhor já com idade avançada. Bom, enfim, lá vamos nós: se você comparar (claro, sempre) com o trabalho de Christopher Nolan, o trabalho de Tim Burton vira Alice no País das Maravilhas com morcegos. Ainda assim, assustador na medida certa: pré-juvenil.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2014-12-01 imdb