BugiGangue no Espaço

2017/02/14

Ale McHaddo foi o responsável pelo CD-ROM daquele jogo eletrônico em que Marisa Orth era a Esfinge. Isso nos anos 90. Se você se lembra disso, é capaz de entender quanto tempo e dedicação são necessários para construir algo no Brasil em termos de criação. E aqui McHaddo está de novo, em seu estúdio de cinema, produzindo com ajuda de dinheiro estatal uma animação em um 3D raso que se pendura em referências pop fáceis como E.T., Star Trek, Senhor dos Anéis e, claro, Star Wars. Não é possível ver muita expressão em seus personagens computadorizados, e uma equipe de dublagem com altos (Guilherme Briggs) e baixos (Danilo Gentili) não ajuda muito. No entanto, há uma direção competente nas cenas de naves espaciais e batalhas mais ou menos orquestradas. Não é muito, porém, para permitir que aproveitemos os 80 minutos de BugiGangue no Espaço sem nos lembrar que há muito ainda a avançar em termos orçamentais, tecnológicos, criativos e artísticos. Isso se um dia houver a ambição de um filme desse estilo se tornar algo um pouco mais do que uma simples cópia mal-feita de trabalhos hollywoodianos.

★★☆☆☆ Título original: Gadgetgang in Outerspace. País de origem: USA. Ano 2016. Direção: Ale McHaddo. Roteiro: Ale McHaddo. Duração: 80. Gênero: Animation. Estreia no Brasil: 23 February 2017. Tags: cabine 3d

Share on: Facebook | Twitter | Google