Chappie

Chappie, novo filme de Neill Blomkamp (Distrito 9), é bonitinho, todo cool, e tenta trazer a África do Sul, país-natal do diretor, sob os holofotes de mais uma ficção científica. E mais uma vez, inevitavelmente vem a questão social, pobreza, violência. Nesse sentido, há muito o que se comparar com Robocop, e Blomkamp sabe disso e nem tenta disfarçar que um de seus robôs é uma homenagem/cópia do robô do final do primeiro filme.

Trazendo em seu elenco uma equipe de luxo constituída por nada menos que Hugh Jackman e Sigourney Weaver, sua presença tem mais relação com o mundo sci-fi sendo mais uma vez referenciado do que suas interpretações, que são marginais e estranhas. É estranho, por exemplo, ver Wolverine sendo um bad-guy sem muitos motivos que o sustente. Para preencher os personagens mais relevantes, Dev Patel (aquele menininho de Quem Quer Ser um Milionário) é o nerd que inventou robôs policiais, Yo-Landi Visser é a terna Yo-Landi Visser e Sharlto Copley, que já trabalhou com o diretor em seus dois primeiros trabalhos, realiza um trabalho irrepreensível dublando Chappie, o primeiro robô a funcionar com Inteligência Artificial no nível de consciência.

O roteiro escrito a quatro mãos por Terri Tatchell e o próprio Blomkamp parece ter personagens demais (como o líder da gangue espalhafatoso que quer seu dinheiro de volta) e uma relativização do crime muito específica daquela realidade onde a miséria impera e os robôs policiais tornam a vida dessas pessoas mais massacrante ainda. Nesse sentido, a metáfora social funciona, mas é o que menos vemos na história, que abusa de momentos em câmera lenta e gracinhas aleatórias. Ainda assim, funciona bem quando resolve parar um pouco e refletir sobre o que está sendo dito e feito (como a possibilidade de uma máquina com consciência em apenas cinco dias (e acesso à internet) conhecer mais do ser humano do que sobre nós mesmos, ou pelo fato dessa mesma máquina não ter um julgamento moral ou instintivo muito duro com a nossa espécie).

Um filme que faz rima com os mais sombrios Ex Machina, Transcendence e muitos outros que vêm surgindo nessa nova e empolgante safra de especulações de como a IA poderá afetar o nosso futuro.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2015-05-26 imdb