Chef's Table

2016/12/04

As séries que costumo testar/acompanhar da Netflix me fazem às vezes questionar a capacidade da distribuidora de conteúdo de se manter na média das outras produtoras. Às vezes eles parecem ligeiramente superiores. E é o caso de Chef’s Table, que se veste de uma série documental com cada episódios abordando um chefe de cozinha e o que ele tem a oferecer à alta gastronomia. Porém, no fundo, os idealizadores da série vão além, e embora sigam constantemente uma cartilha estática no roteiro (e na direção), os resultados podem surpreender.

É o caso, por exemplo, na primeira temporada, o primeiro episódio (Massimo Bottura), que trata de um chef italiano que subverteu a ordem em uma das cozinhas mais tradicionais do mundo. Sua história o favorece, mas também há uma certa virtude da direção e roteiro de aproveitarem essa história ao máximo. E é o que fazem, em um dos melhores episódios da temporada.

Isso, claro, se você não for muito fã da cozinha argentina. Não só dela, mas de um estilo de vida mais livre. Se este for o caso, irá se apaixonar pelo episódio do chef Francis Mallmann e sua vida voltada às coisas simples e que lhe dão mais prazer. O depoimento de Mallmann é poderoso justamente porque foge do convencional.

Porém, o resto dos episódios sempre tem um causo ou outro que irá dar uma nova visão do que é alta gastronomia, e sempre será filmado com uma qualidade impecável. É dessas séries que felizmente resolvem mostrar a coisa em vez de colocar pessoas simplesmente falando. Possui uma edição e montagem dinâmicas o suficiente para tornar tudo muito emocionante, além de despertar em nós o desejo de ver coisas sendo bem feitas. E que melhor coisa para ser bem feita do que uma comida que inspire o aprendizado por tentativa e erro?

E se formos parar para analisar todos os episódios, muito da história dos grandes chefs possui em seu núcleo erros grotescos, que foram assimilados simplesmente porque essas pessoas se recusaram a parar de tentar coisas novas. Além de gastronomicamente ousados, essas pessoas são seres humanos ousados.

Um alerta, entretanto. Esta série está claramente sendo patrocinada ou empossada pelo sistema de estrelas do centenário Guia Michelin. Se não for isso, não conheço o suficiente para entender se Michelin hoje em dia é algo como Coca-cola: podemos falar e defender mesmo que ninguém pague por isso.

Chef’s Table no momento possui duas temporadas e todos os episódios podem ser assistidos em qualquer ordem. Vários podem ser pulados, e alguns (como os que eu citei) reprisados.

★★★★☆ Título original: Chef's Table. País de origem: USA. Ano 2015. Direção: Clay Jeter. Brian McGinn. Andrew Fried. David Gelb. Elenco: Dan Barber (Himself - Chef). Massimo Bottura (Himself - Chef). Bill Buford (Himself). Lara Gilmore (Herself). Francis Mallmann (Himself - Chef). Niki Nakayama (Herself - Chef). Magnus Nilsson (Himself - Chef). Ruth Reichl (Herself). Ben Shewry (Himself - Chef). Edição: Jesse Overman. J. Santos. Eric Freidenberg. Fotografia: Adam Bricker. Will Basanta. Trilha Sonora: Duncan Thum. Silas Hite. Duração: 50. Razão de aspecto: 2.00 : 1. Gênero: Documentary. Tags: netflix

Share on: Facebook | Twitter | Google