Livro: Como Ver Um Filme

May 14, 2016

O livro de Ana Maia Bahiana é cativante do começo ao fim. Ele dá dicas sem frescuras e para o cinéfilo amador – aquela pessoa que adora ver filmes, mas não sabe muito sobre sua criação nem como escolher um filme ou apurar seu gosto – e ao mesmo tempo evita a todo custo soar pedante, crítica ou pior: erudita. Muito pelo contrário: o conteúdo é informativo e atinge das camadas mais básicas (como funciona a indústria de Hollywood) até as mais controversas (o que é gênero?).

Minha única bronca com esse livro é sua diagramação. Sua forma de abrir parênteses para curiosidades e aqueles quadros “saiba mais” quebra o ritmo da leitura principal. Literalmente. Estamos lendo uma empolgada defesa dos terrores mais eficientes, no meio de um parágrafo, quando de repente surge uma página preta com curiosidades sobre um certo diretor. Duas páginas inteiras! Isso faz ou que paremos de ler o que estávamos lendo ou percamos a página preta depois de terminada a leitura do principal. Esse modelo simplesmente não funciona bem.

Tirada essa pedra de lado, haverá também leitores folheando a sessão de Cinema na livraria ou bisbilhotando a capa da pessoa do lado no metrô que constatarão, horrorizados, como é de mal gosto um livro que se predispõe a ensinar às pessoas algo que “todos já sabem”. Afinal de contas, qual a dificuldade de sentar na poltrona/sofá e apertar o play/comer a pipoca? A arrogância do espectador eventual é esperada, e até certo ponto do cinéfilo mais… “ingênuo”.

Porém, é exatamente sobre isso que o livro trata. Ele ensina que nós de fato não, não sabemos como assistir filmes e aproveitá-los ao máximo. Seja a pessoa que vai pela primeira vez no cinema ou o crítico de longa data, estamos sempre reaprendendo formas de enxergar uma película, assim como diretores ousados reinventam a forma a todo momento, com resultados mistos. Entender que a humildade na hora de ver um filme é sua arma mais poderosa para extrair o máximo da experiência – mesmo que seja um péssimo filme – é a chave que o livro de Ana Maria tenta passar.

Acostumada ao ecossistema do filme, Bahiana nos apresenta toda a criação de um filme, suas influências artísticas (e monetárias), dando exemplos bem populares da sétima arte e misturando parcimoniosamente com filmes e diretores clássicos, mas não muito conhecidos, do público em geral. Com isso, ela automaticamente faz uma contribuição ao cinéfilo amador que ele não vai enxergar como um “vai estudar!”, mas mais como um “esses filmes que você adora certamente são incríveis; provavelmente você vai gostar desses outros aqui”.

Além disso, a discussão em torno do que faz um filme ser ótimo, quais as principais regras de roteiro, de direção, de fotografia, figurino, trilha sonora e a edição são momentos que poderiam ser pesados se estivéssemos falando de um compêndio excessivamente didático ou perfeccionista. Porém, Ana Maria, assim como os filmes de que tanto fala, sacrifica a exatidão por algo muito mais louvável: prender a atenção de seu “espectador”. Com isso, tanto cinéfilos mais exigentes quanto os mais iniciantes poderão se beneficiar do conteúdo sem bocejar.

E arrisco dizer que até cinéfilos mais seletivos e menos abertos a novas visões poderiam se beneficiar de partes do livro, se estiverem dispostos a arriscar sair só um pouco do lugar-comum, ou de sua zona de conforto da comédia romântica ou filme de ação.

Dessa forma, Como Ver um Filme é uma obra única, pois chama a atenção para todos os tipos de pessoas que simplesmente gostam de ver filmes mais que a média, ou o suficiente para ler esse livro. Seja você um leitor ávido de literatura da Sétima Arte, ou apenas um apreciador eventual da máquina de sonhos, tenho certeza que irá se beneficiar do seu conteúdo. E de sua forma (mas esqueça as páginas pretas).

Wanderley Caloni, 2016-05-14. Livro: Como Ver Um Filme. Dirigido por Ana Maria Bahiana. Escrito por Ana Maria Bahiana.