Dark Tourism

Jul 26, 2018

Essa série que saiu na Netflix, é uma boa série, porque ela contém todos os elementos que faltam hoje ao jornalismo pensante. Há obviamente um formato senso forçado, mas quando algo é bem feito, isso passa como diversão.

Seu host é a figura de um americano caucasiano classe média turista padrão, cheio de receios e medo. A melhor parte de sua atuação são as perguntas medrosas com a reação silenciosa. A edição mantém um timing dinâmico, mas que sabe aproveitar esses momentos e ao mesmo tempo suas narrações, que sempre vão revelando o lugar inóspito que está sendo visitado com muita calma, sendo degustado a cada palavra.

Esta é uma série que preenche uma lacuna das séries de turismo: o dark tourism, feito por pessoas com um tédio acima do normal (geralmente a classe média sofre mais aventureira dos países de primeiro mundo). Afinal, quem se divertiria em um passeio em que você é tratado como um imigrante mexicano tentando atravessar a fronteira e não ser morto por bandidos e traficantes pelo caminho, ou sair do conforto do lar para sentir a tensão de um local com níveis de radiação muito acima do seguro?

Mas essa série também começa a responder uma questão instigante: esse turismo está se tornando popular porque algumas pessoas em algumas partes do mundo estão perdendo a noção de realidade, presas em seu confortável e previsível mundo?

Uma questão interessante de ser respondida com passeios como os feitos pelo host, David Farrier. E apresentados por ele.

Imagens e créditos no IMDB.
Wanderley Caloni, 2018-07-26. Dark Tourism é uma série Netflix com David Farrier, que também dirige.