De Volta para o Futuro

Quem nunca gostaria de conhecer seus pais na época em que se conheceram? Partindo dessa premissa, e espalhando cuidadosamente pistas e detalhes da vida do jovem Marty McFly (Michael J. Fox) e sua família, assim como dos habitantes da cidade onde moram, Robert Zemeckis e Bob Gale conseguem a partir de uma história simples envolver completamente o espectador com o destino de seu protagonista. Além disso, as referências entre as épocas são um show à parte, e boa parte do mérito da imersão da viagem no tempo também fica por conta do igualmente cuidadoso trabalho de direção de arte. Mais imersão que essa, poucos filmes no Cinema conseguem ter.

O que Zemeckis e Gale fazem com o roteiro, contudo, é digno de aplausos. Dirigindo uma comédia, o timing cômico sempre é importante. Porém, mais do que isso, são as piadas. E é inegável que as piadas em De Volta para o Futuro são construídas, em sua maioria, através do próprio contexto em que acontecem. Por isso a sacada genial do antes ator Ronald Reagan se tornar presidente dos EUA, ou até do atendente negro da lanchonete em 1955 se tornar prefeito em 1985. A lógica da viagem no tempo é simplista, como muitos acusaram, por exemplo, O Efeito Borboleta, pois as consequências que os atos no passado geram nos futuros pais de Marty é óbvia e previsível do ponto de vista do espectador. Porém, não se pode esquecer que estamos em uma comédia, não em um drama, o que faz toda a diferença no tom usado, que torna tudo mais leve e perdoável.

Curiosamente, as atuações de Michael J. Fox e Christopher Loyd são um show à parte, mas a mais convincente, pois depende disso para seu arco final, é a de Crispin Glover como George McFly, um nerd naquela época que não conseguia se livrar de seu bullying eterno, o valentão, exagerado e idiota Biff Tannen (Thomas F. Wilson).

O ritmo do filme é lento o suficiente para degustarmos cada detalhe da história, mas rápido o suficiente para dar o tom de urgência que as ações dos viajantes no tempo necessitam. No futuro o ritmo irá acelerar drasticamente em Parte II, e novamente relaxar em Parte III. Um conjunto de filmes que merece ser visto em sequência.

★★★★★ Wanderley Caloni, 2016-03-20 imdb