Detona Ralph

Dec 30, 2012

Imagens

Detona Ralph é daqueles filmes que apelam para o saudosismo dos mais velhos — e do seu choro fácil — mas não deixa de lado a história, aproveitando ao máximo o tema que tanto desperta fascínio hoje em dia para os quarentões e trintões que jogavam aqueles joguinhos de fliperama com um ou dois botões.

Criando e reaproveitando um universo de três gerações de personagens de vídeogames, o filme gira em torno dos jogos de uma velha loja de fliperama, mais especificamente o jogo Conserta Felix Jr, que vem sendo usado por décadas. No seu trigésimo aniversário, no entanto, o vilão do jogo, o Detona Ralph do título, se sente muito mal por finalmente se sentir sempre excluído das glórias que os heróis dos video-games recebem, representado por uma icônica e brilhante medalha. Chorando suas mágoas em um simpatissíssimo grupo de terapia em grupo formado por vilões clássicos, Ralph mais tarde percebe que só conseguirá esse respeito tão almejado se conseguir uma medalha, não importando que não fosse do seu jogo original.

E é aí que a expansão desse universo merece aplausos pelos espasmos de criatividade e de certa forma homenagem aos ícones e gêneros que criaram uma juventude inteira viciada em apertar botões e ouvir trilhas sonoras “monocromáticas”. Através das tomadas de energia os personagens de todos os jogos instalados na loja conseguem se locomover em uma espécie de estação central através dos diversos programas rodando dentro dos equipamentos. Isso possibilita transições enormes entre diferentes cenários e situações, como jogos de tiro em terceira pessoa e a clássica corrida de automóveis em um universo temático, onde Ralph incidentalmente conhece Vanellope von Schweetz, uma doce menina que possui o mesmo desejo de Ralph: ganhar a corrida de seu jogo e, consequentemente, a possibilidade de entrar na lista de corredores selecionáveis pelos jogadores com fichas na mão.

O constante drama de Ralph de ser um vilão eterno por definição consegue criar os melhores momentos do longa, e encontra o seu ápice em um momento particularmente tenso e brilhante onde a discussão sobre o destino dos personagens de jogo é extrapolada ao nível filosófico e onde infelizmente a produção Disney parece enxergar a necessidade de criar mais um mecanismo de fazer chorar envolvendo uma medalha artesanal e que estraga a natural emotividade do momento.

Aliás, essa necessidade de se moldar ao arco dramático padrão com o terceiro ato representando uma óbvia perda de ritmo prejudica levemente a conclusão do filme. De qualquer forma, Detona Ralph se revela uma ótima notícia dos estúdios que começavam a diminuir seu ímpeto criativo após a fusão com a Pixar, o que acabou gerando produções menores como Carros 2 e Valente. Há ótimos motivos, portanto, para comemorar.

Wanderley Caloni, 2012-12-30. Detona Ralph. Wreck-It Ralph (USA, 2012). Dirigido por Rich Moore. Escrito por Rich Moore, Phil Johnston, Jim Reardon, Phil Johnston, Jennifer Lee, John C. Reilly, Sam J. Levine, Jared Stern. Com John C. Reilly, Sarah Silverman, Jack McBrayer, Jane Lynch, Alan Tudyk, Mindy Kaling, Joe Lo Truglio, Ed O'Neill, Dennis Haysbert. IMDB.