Don Verdean: o Que o Passado nos Reserva

| Wanderley Caloni

January 21, 2019

Esta é uma comédia que pega pesado com as religiões protestantes dos EUA. A maneira com que ele faz isso é muito maldosa. Ela é… como posso dizer… sincera.

Os religiosos nesse filme, podemos dizer com alguma segurança, seguem fielmente seus princípios. O engraçado no caso é que eles parecem tão ingênuos por fora que parece mentira. Tony Lazarus foi um homem que quase morreu em um acidente de carro com uma prostituta. Tendo sido ressuscitado no hospital se converteu e fundou uma igreja. O personagem-título, Don Verdean (Sam Rockwell), é um arqueólogo a serviço da fé. Encontra “provas” de que tudo que está escrito na Bíblia é verdade.

Quando esses dois se encontram o próximo artefato a ser encomendado por Verdean de Israel é a estátua de sal da esposa de Ló (sobre a destruição das cidades Sodoma e Gomorra). Toda a trama criada através dessa estátua, que é um bloco sem forma, incluindo a especulação de que ela fosse hermafrodita (por ter uma protuberância em um local…) ou que ela fosse fake (vindo do pastor da igreja concorrente, ex-satanista) deveria ser hilária do começo ao fim, mas ela é tão absurda que fica difícil entender se é para comprar a ideia dessas pessoas ou… apenas dar risada.

Há poucos momentos que o clima de humor em “Don Verdean” consegue se desvencilhar desse respeito por aquelas “bem-intencionadas” pessoas. O meu favorito é quando Tony Lazarus quer desbancar essa “teoria sobre dinossauros” usando como analogia a série de TV Voltron, onde pequenos veículos se juntam e viram um robô gigante. Na concepção (?) de Lazarus os dinossauros nada mais eram pequenos répteis que se uniram e viraram um grande. E, agora sim, o nível de absurdo está bem colocado.

A dinâmica do filme começa a girar mais em torno de ambição conforme um judeu nada convencional decide ir para a América e roubar a “ideia” desses religiosos malucos para ganhar dinheiro. Quando todos esses personagens que foram apresentados começam a interagir de diferentes formas a comédia começa a engrenar, mas daí o filme já acabou.

“Don Verdean” não é um filme ruim. Ele é bem simpático e competente até certo ponto. Ele só não teve a visão de escolher um tom adequado para seu humor. Sabe como é, há tantos malucos religiosos espalhados pelo mundo que é difícil saber quando algo é piada ou é apenas documental.

Imagens e créditos no IMDB.

Don Verdean. EUA, 2015. Escrito por Jared Hess, Jerusha Hess. Dirigido por Jared Hess. Com Sam Rockwell, Amy Ryan, Jemaine Clement..