Dr. Fantástico

O absurdo das hierarquias e do sistema de proteção para decisões vitais para a paz mundial, junto como os militares são colocados no filme, irresponsáveis que parecem estar na corporação simplesmente pelo acaso da vida, parece ser a matéria-prima dessa excelente comédia de Stanley Kubrick (Laranja Mecânica, 2001). No entanto, não é por isso que o filme deixa de ser realista, e as cenas de combate, tanto no ar quanto na terra, são tão tensas quanto as conversas na cúpula do Pentágono.

Kubrick não nos pouca nenhuma faceta para demonstrar o absurdo que é uma guerra, ainda mais mundial. E junto com ele está a figura eterna de Peter Sellers, que aqui incorpora três personagens simultâneos, dois bizarros e um presidente que, por mais comedido que seja, não possui as rédeas de nada.

A construção do drama de cada lado é feita paulatinamente e com uma dosagem surpreendente entre elas, e a forma como o roteiro une as pontas é indissociável pela lógica e pela emoção.

Mais para frente, na cinegrafia do autor, poderemos ver a guerra novamente enfocada com seus absurdos em Nascido Para Matar. Porém, como comédia, Dr. Strangelove é uma sátira muito mais dramática e eterna que qualquer outra crítica séria poderia causar.

★★★★★ Wanderley Caloni, 2012-08-06. Dr. Fantástico. Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb (USA, 1964). Dirigido por Stanley Kubrick. Escrito por Stanley Kubrick, Terry Southern, Peter George, Peter George. Com Peter Sellers, George C. Scott, Sterling Hayden, Keenan Wynn, Slim Pickens, Peter Bull, James Earl Jones, Tracy Reed, Jack Creley. imdb