El Cuerpo

El Cuerpo possui um desenvolvimento razoavelmente tenso e uma atmosfera que lembra muito o excelente Uma Simples Formalidade. Ambientado em torno do desaparecimento do cadáver da ex-mulher de um herdeiro de uma fortuna (Hugo Silva), os passos dados pelo icônico inspetor interpretado por José Coronado e o passado da mulher falecida que o atormenta criam uma base muito interessante para as investigações da insana possibilidade da mulher ter ressucitado e procurado vingança pelo seu assassinato.

Igualmente fascinante é a fotografia daquela noite chuvosa e que mantém os personagens presos em um interrogatório montado no prédio do necrotério. A montagem em torno dos acontecimentos internos, externos e passados criam um clima de conspiração que prende o espectador a cada novo detalhe revelado e as possibilidades do desfecho.

Infelizmente, seu terceiro ato, ou mais precisamente seus dez minutos finais se tornam um pesadelo. Desconstruindo o inspetor e revertendo expectativas, a história revelada estraga toda a trama apenas pela tradição boba atual dos filmes de suspense policial terem um final imprevisível. Uma coisa é ser imprevisível, mas contido na narrativa. Outra coisa completamente diferente é ser imprevisível porque foi tirado um coelho da cartola. Assim, qualquer porcaria fica imprevisível.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2015-02-14. El Cuerpo. El cuerpo (Spain, 2012). Dirigido por Oriol Paulo. Escrito por Oriol Paulo, Lara Sendim. Com José Coronado, Hugo Silva, Belén Rueda, Aura Garrido, Miquel Gelabert, Juan Pablo Shuk, Oriol Vila, Carlota Olcina, Patrícia Bargalló. imdb