Elon Não Acredita na Morte
Wanderley Caloni, 2017-04-25

Um suspense que se constrói através da inteligência do espectador, e não com dados jogados de graça. Elon, um homem bruto, aparentemente calmo, mas perdido, interpretado por Rômulo Braga (O Que Se Move) com ausência de maneirismos, está em busca de sua mulher desaparecida, que não voltou do trabalho. Madalena é fugaz, mas parece ser suficientemente sensual a ponto de hipnotizar Elon. Mas este é um filme basicamente de um homem só. Ou a sombra de um homem vagando por delegacias, hospitais, parentes e conhecidos. Ele externamente não se desespera, e permite através do seu caminhar acompanharmos um trabalho competente de edição de som, que não deixa escapar nem o que é mal ouvido em uma fábrica barulhenta, nem o que não estamos vendo (um pote de café). E o som é necessário em um filme tão escuro, onde seus personagens vivem no escuro, em salas sujas, em prédios precisando de uma reforma. Há algumas surpresas no filme, mas sua reviravolta é menos importante que todo esse suspense que não acaba.

Crítica completa na estreia do filme no CinemAqui.

★★★☆☆ Elon Não Acredita na Morte. Brazil. 2016. Direção: Ricardo Alves Jr.. Roteiro: Ricardo Alves Jr, Diego Hoefel, Germano Melo, João Salaviza. Elenco: Rômulo Braga (Elon), Clara Choveaux (Madalena e Jasmin), Ricardo Alves Jr. (Delegado), Helvecio Alves Izabel (Vigia), Francisco Loyola (Chico), Claudio Marcio (Jovem), Olavino Marçal (Policial 1), Germano Melo (Chefe), Eduardo Moreira (Legista). Edição: Frederico Benevides, Michael Wahrmann. Fotografia: Matheus Rocha. Trilha Sonora: Moondog, Daniel Saavedra. Duração: 75. Aspecto: 1.90 : 1. Estreia no Brasil: 27 April 2017. #cabine