Elvira A Rainha das Trevas

Aquela comédia sessão da tarde, leve e despretensiosa, que consegue ser digerida passo-a-passo sem maiores problemas. Esse modo inofensivo de Elvira é provavelmente seu ponto mais fraco.

Iniciando com a personagem-título (Cassandra Peterson) apresentando filmes trash em um programa televisivo que se aproveita de seus protuberantes seios para manter a audiência, logo a vemos em uma viagem em busca da herança de uma recém falecida tia-avó (que por sinal se chamava Mortiça) em uma cidadezinha cujos habitantes prezam pela moral. Dessa forma, assim como no romance e na novela global Gabriela, os bons costumes daquelas pessoas serão abalados pela presença da sexual e irreverente Elvira.

Porém, disse “sexual” sem a devida proporção. Essa é uma sessão matinê com censura livre. Desafiar a moral vigente daquele vilarejo é tão somente exibir seu generoso decote e dizer o que pensa. Digamos que para um divertimento leve há cenas picantes o suficiente.

É nessa gana de obter dinheiro e sucesso que a apresentadora de filmes ruins acaba fazendo parte de um. Essa ironia, ainda que tímida, é o que torna Elvira um espécime pelo menos interessante.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2013-11-08 imdb