Estranha Obsessão

2017/08/07

Pawel Pawlikowski, diretor e roteirista do mais recente e interessante Ida, traça aqui através do romance de Douglas Kennedy um thriller que vai escalando naturalmente, dando tempo ao espectador para se habituar ao drama do escritor Tom Ricks (o habilidoso Ethan Hawke), que chega em Paris em busca da fiha de seis anos e sua esposa, aparentemente possui problemas com a polícia e ainda tem sua mala e carteira roubados. A partir dessa premissa surge um suspense tenso sem forçar muito a situação. Um trabalho econômico e eficiente.

A partir de uma reunião literária surge uma personagem misteriosa, Margit, que interpretada por Kristin Scott Thomas se assemelha a uma femme fatale sem ser uma. Ela é viúva de um escritor húngaro que possui seu próprio charme em seu passado, além de falar sete idiomas. E além disso vão surgindo criaturas curiosas na atmosfera da periferia parisiense, como o turco dono de um café e negócios escusos, que aceita que o professor/escritor se hospede em um de seus imundos quartos enquanto resolve seu problema financeiro (e lhe dá um emprego de porteiro noturno em um local para… negócios escusos), e sua namorada/garçonete polonesa, que vai se interessando pelo escritor conforme essa figura pitoresca vai se habituando com o local.

A direção de Pawlikowski facilita nossa interação com este aparente romance em forma de livro, com seus cenários quase sempre estáticos, câmera parada e enquadramento onde interessa. Há uma largura de campo reduzida, assim como a profundidade, e se foca sempre onde interessa. Pequenos planos-detalhes surgem de maneira a explicar determinados elementos da psique do escritor, como a floresta fictícia que criara em seu único romance (que todos elogiam), além da pista na cena inicial do que poderá acontecer em breve.

A fotografia de Ryszard Lenczewski é cinzenta, chuvosa e mostra uma Paris feia, enquanto os elementos fantasiosos possuem uma estilização mais rebuscada, como os insetos da floresta. Há uma clara falha de comunicação com o espectador, pois a trama não consegue informar muito bem o que o filme espera que se sinta ao ver na floresta com cascos sinistros, artificiais, mas esteticamente invejáveis, e nelas esses insetos, os trilhos do trem e a coruja. É possível que ele esteja querendo juntar com a cena inicial, mas são pontas muito soltas.

Flertando em seu terceiro ato com o imaginário, como tantos outros filmes sobre escritores geralmente fazem, esta parte também é econômica inclusive na paranoia, e não tenta tornar o filme mais esperto do que ele é. No entanto, a impressão que fica é que houve uma correria desnecessária e elementos fantasiosos demais jogados sem nenhuma conclusão muito enfática. Sim, é possível desvendar o mistério poetizando alguns elementos aqui e ali, transformando-os no que chamamos na literatura de liberdade poética, mas para o Cinema.

Ainda assim, Estranha Obsessão se mantém como forte thriller que sempre mantém o espectador atento, aguardando por algo que junte este quebra-cabeças, mesmo que o filme sugira que isso não irá acontecer. Um filme ligeiramente angustiante e depressivo em seu final, ele ganha muito mais conotações de romance em seu final, e sem conseguir juntar todos os seus capítulos de maneira satisfatória. Uma pena, pois todo o processo é fascinante.

★★★★☆ La femme du Vème. France, 2011. Direction: Pawel Pawlikowski. Script: Douglas Kennedy. Pawel Pawlikowski. Cast: Ethan Hawke (Tom Ricks). Kristin Scott Thomas (Margit). Joanna Kulig (Ania). Samir Guesmi (Sezer). Delphine Chuillot (Nathalie). Julie Papillon (Chloé). Geoffrey Carey (Laurent). Mamadou Minte (Omar). Mohamed Aroussi (Moussa). Edition: David Charap. Cinematography: Ryszard Lenczewski. Soundtrack: Max de Wardener. Runtime: 84. Ratio: 1.85 : 1. Gender: Drama. Category: movies Tags: netflix

Share on: Facebook | Twitter | Google