Fargo

É muito simples entrar em uma comédia-thriller dos irmãos Coen. Há dois princípios extremamente eficazes em Fargo: os diálogos que expõem desde o início o caráter de seus caricatos personagens — como ao apresentar em uma inspirada conversa a maneira com que os dois capangas (Steve Buscemi e Peter Stormare) contratados pelo hesitante Jerry Lundegaard (William H. Macy) irão efetuar o sequestro de sua mulher — e os ângulos inusitados de câmera escolhidos por Joel Coen que exaltam o clima surreal dos fatos que irão se sucedendo aos poucos — e para isso há tomadas belíssimas sobre uma neve que ofusca o resto da paisagem e dá preferência para que vejamos o que está de fato ocorrendo na pacata cidadezinha.

Tão pacata, parece, que a heroína acidental da história, a icônica policial Marge Gunderson (Frances McDormand), aparece quase no final do primeiro ato, com uma sonolência típica da região fria (e que é pontuada pelos vários momentos em que a vemos acordando), mas com uma persistência e sagacidade dignas de um dos melhores detetives que o Cinema já viu: o que, de fato, poderia existir. Aliás, todas as circunstâncias em torno de Fargo, ainda que absurdas, são factíveis, e é o poder da direção dos Coen que transforma tudo em algo mais… cinematográfico.

A presença espirituosa de McDormand é o que nos dá um divertido contraponto, uma vez que, inserida em um filme de teor cômico, a protagonista participa desse universo, mas ao mesmo tempo as ações que são desempenhadas para ir ao encalço de um assassino brutal são factíveis e é o que dá a força motriz para continuarmos acompanhando a história. Por outro lado, se não houvesse as risadas eventuais — e apesar de parecerem muitas, fazem parte intrínseca da narrativa do gênero — não haveria fôlego para acompanharmos tantos acontecimentos de embrulhar o estômago.

E embrulhar estômagos sem partir para o humor escatológico é a maior virtude do trabalho dos Coen, um trabalho que já vai contando décadas de Cinema sadio e com um estilo próprio que sempre parece trazer novidades.

★★★★★ Wanderley Caloni, 2012-08-16 imdb