Fonte da Vida

2017/03/21

Darren Aronofsky em Noé nos apresenta uma visão gnóstica da Bíblia e das crenças antigas, mas esse é apenas um pedaço da ambição desproporcional vista em Fonte da Vida, um filme que tenta sem sucesso (felizmente) unir ciência e misticismo em uma busca por conhecimento que ultrapassa limites da realidade, seja através da ficção de um romance espanhol ou pela abstração de nossa própria vida na Terra através de um sábio solitário tentando descobrir a combinação que nos trará vida eterna.

E a busca por esse elixir mágico já encontrou muitos heróis de nossa história. A forma com que Fonte da Vida nos apresenta esse dilema ultrapassa a questão narrativa, mas ao mesmo tempo une três histórias diferentes através de seu tema, e de maneira muito semelhante com A Viagem (Cloud Atlas, Irmãos Wachoswki) há uma prioridade maior em esmiuçar as diferentes formas de ambicionar pela vida eterna, ou pela paralisação do processo de morte, do que de fato se preocupar com seus personagens.

Porém, este é mais um filme do diretor com uma pessoa obstinada e obcecada que dá tudo de si para alcançar seu objetivo. Aliás, os personagens: Tomas, Tommy, Tom. Os personagens de Hugh Jackman estão em busca não apenas da vida, mas do amor, e nessa relação dúbia entre o que é viver. Note como todos os simples elementos manifestados como símbolos no filme – a tinta, o papel, a árvore, a estrela e o ser humano e um país morrendo – vão constantemente aparecendo em pares que se unem para contar as três histórias de maneira intercalada, mas nunca deixando cair a peteca do tema. É o tema que está em jogo, e para isso o igualmente obstinado diretor (e roteirista) persiste em alcançar a melhor forma de mostrá-lo.

★★★★★ Título original: The Fountain. País de origem: USA. Ano 2006. Direção: Darren Aronofsky. Roteiro: Darren Aronofsky. Ari Handel. Elenco: Hugh Jackman (Tomas / Tommy / Tom Creo). Rachel Weisz (Isabel Creo). Ellen Burstyn (Dr. Lillian Guzetti). Mark Margolis (Father Avila). Stephen McHattie (Grand Inquisitor Silecio). Fernando Hernandez (Lord of Xibalba). Cliff Curtis (Captain Ariel). Sean Patrick Thomas (Antonio). Donna Murphy (Betty). Edição: Jay Rabinowitz. Fotografia: Matthew Libatique. Trilha Sonora: Clint Mansell. Duração: 96. Razão de aspecto: 1.85 : 1. Gênero: Drama. Estreia no Brasil: 24 November 2006. Tags: netflix

Share on: Facebook | Twitter | Google