Guerra nas Estrelas (Star Wars Episódio IV: Uma Nova Esperança)

Dec 26, 2017

Imagens

Sem modelos anteriores além dos arquétipos narrativos como a clássica jornada do herói, o primeiro Guerra nas Estrelas brilha pela sua produção inusitada. Flertando entre o trash e o onírico fantasioso precursor da era das superproduções, o trabalho de George Lucas transita sem avisar entre o risível e o épico. Ele pode ser entendido como a mescla perfeita que gera o pop, esse sentimento de auto-importância criado na base do berro que fascinou e fascina gerações.

O épico do filme é sentido melhor ao analisarmos o universo dessa galáxia tão distante e suas criaturas bem trabalhadas em um filme que envelheceu bem. Há Chewbacca, um ator com uma fantasia de pelos brilhantes que se comunica por sons animalescos indecifráveis. Há C3PO, um ator vestido com pedaços metálicos brilhantes cujas articulações são visíveis ao mesmo tempo que seu lado humano em suas análises emotivas em meio a perigosas missões de guerra. Note que ambos usam materiais brilhantes da mesma forma com que a palavra “brilhante” pode ser entendido como algo genial ou apenas algo que brilha.

Seus heróis são pessoas comuns, seres humanos em meio a diferentes raças. Eles são princesas, mercenários e catadores de lixo com potencial de salvar a galáxia das forças malignas do Império. E o Império é a versão espacial e alternativa do que aconteceria se os nazistas tivessem inventado a bomba atômica primeiro. Aqui ela é chamada de Estrela da Morte com um sentido poético e trágico: em vez de iluminar a vida dos planetas em sua volta este aparato consegue explodir um planeta inteiro e suas vidas em questão de segundos.

Esta é verdadeiramente uma guerra nas estrelas, com naves, explosões e confrontos com lasers e sabres de luz. Há no meio um elemento místico, a Força, que une os seres vivos em torno de uma energia capaz de criar e destruir com a mesma intensidade. A crença na Força, o jedismo, virou uma religião de fato nessa galáxia, trazendo ironia e metalinguagem na mesma tacada.

Guerra nas Estrelas é um filme inacabado. Está sendo constantemente retocado pelo seu criador, George Lucas, embora seu destino hoje esteja em outras mãos. O filme se tornou uma saga amarrada nos seus elementos mais primordiais e uma trilha sonora composta por John Williams em um momento de puro deleite. A máxima de que filmes devem ser vistos na sala de cinema nunca foi mais atual.

Nesse quesito, Star Wars consegue não só criar planetas, raças e as relações diplomáticas entre eles, mas recriar dentro desse mundo conceitos filosóficos do nosso próprio mundo, servindo de um espelho da própria raça humana, escancarando nossas virtudes e defeitos em seres que, mesmo que fruto da fantasia de George Lucas, conseguem transmitir sua “humanidade” em sua melhor e pior formas.

Wanderley Caloni, 2017-12-26. Guerra nas Estrelas (aka Star Wars Episódio IV: Uma Nova Esperança). Star Wars (USA, 1977). Dirigido por George Lucas. Escrito por George Lucas. Com Mark Hamill, Harrison Ford, Carrie Fisher, Peter Cushing, Alec Guinness, Anthony Daniels, Kenny Baker, Peter Mayhew, David Prowse. IMDB.