Julho Agosto

“Julho Agosto” é um filme de férias bem na definição “férias” da palavra. É itinerante, passageiro, esquecível e superagradável. Tem uma trilha sonora cativante que não leva a lugar nenhum (exceto para as bandejas de DVDs/streamings pelo mundo) e personagens idem. Eles são semi-interessantes. Exceto talvez a menina Laura, em sua pré-puberdade e desesperada para sair daquele lugar, materialmente e espiritualmente. Ela é a mais madura das duas irmãs, embora seja a mais nova, o que a parece irritar inconscientemente, pois nunca é levada a sério. Ela fala coisas óbvias o tempo todo, do tipo de coisa que adulto não gosta de ouvir. Já Joséphine é uma cabeça-oca mimada afim de se divertir, o que revela a surpresa mais interessante do longa. Há outras surpresas espalhadas, que nem cabe aqui comentar, mas basta entender que o filme tenta a todo momento criar algum drama que nunca existe ou nunca é suficiente. E é nessa passagem pelas tentativas de criar drama que as férias também passam. Foram divertidas, inconsequentes, esquecíveis. Pena que no Brasil não faz calor nessa época do ano.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2017-07-05 imdb