LEGO Batman: O Filme

2017/02/12

Dos mesmos “mestres construtores” de Uma Aventura LEGO, este Lego Batman vem para iniciar uma franquia já sugerida no original. E vira um dos melhores filmes de Batman sobre filmes de Batman já idealizados por uma criança!

A história usa e abusa de todas as histórias anteriormente contadas sobre o homem-morcego e se aproveita do traço mais conhecido do herói: seu isolamento emocional. Não se trata de pouca coisa quando você tenta inserir em um filme supostamente infantil – e em muitos aspectos, de fato é – conceitos mais maduros, como a necessidade de se conectar com outros seres humanos e o senso de companheirismo e cooperação que faz com que nós sejamos mais fortes. E ao mesmo tempo, o senso de rivalidade em que um Batman e Coringa contracenam vários DRs onde o objetivo de reconciliação é cada um dizer para o outro: eu te odeio.

Depois de mais uma vez salvar Gothan City, acompanhamos uma longa e monótona sequência do morcegão de volta em sua mansão/ilha, onde se esconde sob a alcunha do bilionário Bruce Wayne. O sujeito chega falando oi para seu computador, esquenta uma lagosta no microondas (e aguardamos os segundos de espera), e come o rango em longos seis mordidas em volta de seus brinquedinhos marítimos (bat-navio, bat-tanque, bat-porta-aviões). Quando Alfred, o mordomo e figura paterna, chega, ele leva uma voadora. É dessa forma com que representamos para uma criança quando alguém não está acostumado a ter pessoas não-inimigas por perto.

O batalhão de roteiristas que criou os hilários diálogos e situações do filme usam talentos das mais diferentes fontes, como Orgulho e Preconceito e Zumbis (Seth Grahame-Smith), Community (Chris McKenna), American Dad! (Erik Sommers), Os Estagiários (Jared Stern), o estreante John Whittington e o diretor do episódio de Star Wars III do Frango Robô, Chris McKay. Isso quer dizer que seria altamente improvável que o resultado da história em si fosse coesa e de certa forma empolgante. E de fato não é. Contudo, há tantas sacadas criativas e tantos elementos em tão pouco espaço de tela (vemos Gremlins, Voldemort, King Kong e Sauron na mesma cena) que se torna um resultado frenético e uma homenagem totalmente aberta a uma espécie de criatividade juvenil que ainda contém ácido nos comentários mais velados (como o Batman ir no orfanato jogar doces e dinheiro para a criançada).

Utilizando o mesmo universo idealizado em Uma Aventura Lego, aqui Gothan City aparentemente é mais uma maquete construída sobre uma mesa (“não há nada abaixo da cidade, se ela se partir cairemos no abismo profundo”) e onde alguns elementos (mas quase nenhum) oferece um pouco de ludismo, como o som dos disparos das armas feitas com a boca. No entanto, o que está sendo explorado mais aqui é de fato as brincadeiras metalinguísticas a respeito dos trabalhos anteriores do Batman, que vão desde o Batman VS Superman até… o seriado dos anos 60!

Se muitos trabalhos anteriores do homem-morcego conduziam seu estudo de personagem de maneira excessivamente fria e séria – como a trilogia de Christopher Nolan – este Lego Batman sabe o que quer: apenas divertir. Ele se ancora na questão do sentimentalismo, o que soa clichê, mas o seu formato de brincadeira quase nos leva a acreditar que isso também faz parte do jogo. De certa forma, ele flerta muito com as regras de uma historinha que contamos para nós mesmos quando brincamos na infância, e arrisca soar manipulador no meio do caminho. Mas isso é um pecadilho se compararmos com o que eles arriscam aqui. E se arriscar for uma virtude, este pode até ser um dos mais ambiciosos filmes de super-herói do ano. Vai duvidar?

★★★★☆ The LEGO Batman Movie. Denmark, 2017. Direction: Chris McKay. Script: Seth Grahame-Smith. Chris McKenna. Erik Sommers. Jared Stern. John Whittington. Bob Kane. Bill Finger. Jerry Siegel. Joe Shuster. Cast: Will Arnett (Batman / Bruce Wayne). Michael Cera (Robin / Dick Grayson). Rosario Dawson (Batgirl / Barbara Gordon). Ralph Fiennes (Alfred Pennyworth). Siri ('Puter). Zach Galifianakis (Joker). Jenny Slate (Harley Quinn). Jason Mantzoukas (Scarecrow). Conan O'Brien (The Riddler). Edition: David Burrows. John Venzon. Matt Villa. Soundtrack: Lorne Balfe. Runtime: 104. Ratio: 2.35 : 1. Gender: Animation. Category: movies Tags: cinema 3d

Share on: Facebook | Twitter | Google