Life, Animated
Wanderley Caloni, 2017-02-25

Este é um filme que mostra um evento incrível, fabuloso e excitante: um autista consegue, depois de anos conseguir sem falar, se comunicar com seus pais através dos roteiros que ele decorou dos filmes da Disney. Essa é a principal premissa que faz com que você queira assistir ao documentário de Owen Suskind. Porém, para isso, você terá que passar pelo processo burocrático, enfadonho e repetitivo do roteiro escrito pelo seu pai e dirigido por Roger Ross Williams com uma falta de carisma e profundidade que apenas animações da Disney conseguiriam te entregar. Se trata de uma experiência asséptica, sem tensão, sem conflito e sem emoção alguma para nos guiar. Sim, escorrem lágrimas do rosto da mãe de Owen. E em um discurso que Owen faz em um evento sobre autismo as pessoas aplaudem copiosamente. Tudo isso encobre o fato deste ser um filme sobre um evento extraordinário filmado como se fosse um episódio televisivo para passar na madrugada. Ilustrado com animações igualmente assépticas, são longos 90 minutos que poderiam ser traduzidos em um ótimo artigo de jornal. Pelo menos no filme somos capazes de testemunhar toda a desenvoltura e raciocínios de Owen Suskind, que é a única coisa no filme que o torna verdadeiramente digno de nota.

Crítica completa na estreia do filme no CinemAqui.

★★★☆☆ Life, Animated. USA. 2016. Direção: Roger Ross Williams. Roteiro: Ron Suskind. Elenco: Jonathan Freeman (Himself), Gilbert Gottfried (Himself), Alan Rosenblatt (Himself), Owen Suskind (Himself), Ron Suskind (Himself). Edição: David Teague. Fotografia: Tom Bergmann. Trilha Sonora: T. Griffin, Dylan Stark. Duração: 92. Documentary. Estreia no Brasil: 7 October 2016 (Rio de Janeiro International Film Festival). #cabine #oscar2017