Living on One Dollar

Sep 20, 2015

Imagens

Alguns filmes são propositadamente desonestos com suas premissas, dramatizando em excesso para conseguir validar seus argumentos. No processo, consegue realizar um bom trabalho, ainda que parcial demais. Dessa safra temos Blackfish e Chasing Ice.

Já outros dramatizam errado, trocando o drama em si por conteúdo, e acabam sendo parciais demais e ao mesmo tempo com resultados duvidosos. Tais como Indie Game e No Impact Man.

Já este Living on One Dollar não poderia ser acusado de manipulador, pois não há nada muito exagerado em sua abordagem. Também não poderia ser acusado de parcial, já que não há muitos lados a se defender. E ainda que seus objetivos sejam propagandistas (ainda que “do bem”), o resultado final é uma perfeita aula de economia de como é possível que o ser humano tenha saído de sua situação natural – de escassez e pobreza – e galgado os degraus da geração de riqueza através da socialização e trocas. E ainda que o valor dos empréstimos pareça super-valorizado pelos diretores Zach Ingrasci, Sean Leonard e Chris Temple, eles nunca deixam de ter razão ao analisar o resultado que um pouco de confiança no trabalhador pode gerar.

É nesse sentido que o filme sai do seu lugar-comum para extrair daqueles moradores da região pobre da Guatemala uma experiência de vida comum a um sexto da população mundial: viver com menos de 1 dólar por dia.

O fascinante no projeto dos diretores – que vivem essa experiência saindo de seus confortáveis lares norte-americanos após suas confortáveis infância e adolescência – é que embora com uma premissa simples, detalhes da forma de viver dos moradores do vilarejo escolhido e como esses detalhes impactam bruscamente na sua qualidade de vida. Então, por exemplo, saber usar o fogo com mais eficiência ou acrescentar gordura à dieta comum pode oferecer maiores chances de sobrevivência.

Ironicamente, outros detalhes, como a ajuda que um membro da comunidade oferece para salvar uma vida, e como essa pessoa, por possuir um emprego fixo, possui a chance de ajudar, prova que a máxima da esquerda de que “sem o governo, quem vai ajudar os pobres?” se torna tão falha quanto desonesta, já que o próprio pobre, em uma situação um pouco melhor que a média de seus vizinhos, possui a empatia necessária para alavancar vidas ou até salvá-las. Como um dos diretores coloca em dado momento do filme, a vontade de retribuir a gratidão do vizinho é imensa. E deve ser, mesmo. Seres humanos não são essa crueldade toda pintada por inimigos da livre iniciativa.

Tanto é que o maior sinal de esperança do vilarejo parte justamente das iniciativa empreendedoras de seus moradores. Ou melhor dizendo, de suas moradoras, já que são elas com mais tempo livre (homens e crianças precisam trabalhar continuamente para sobreviver) e muito provavelmente melhores quando o assunto é administrar dinheiro. São elas que obtêm empréstimos de um banco rural e consegue não só consertar o telhado de casa ou manter um fundo de emergência, mas criar novos negócios que garantem uma vida um pouco menos desconfortável. Não é muito difícil imaginar como um grupo de pessoas como esse consegue evoluir ao longo do tempo, graças à pequena ajuda vinda por meio de quem possui capital acumulado: o bom e velho empréstimo. Nada parece ser dado de graça no filme.

E ainda que com uma mensagem buscando por caridade no final do filme pareça um pouco demais, além da conclusão de que “soluções mistas são a solução”, ela é válida dado o teor do documentário, assim como um aviso à humanidade mais desenvolvida financeiramente: pare de empregar seu capital em empreitadas perniciosas não-geradoras de riqueza (em suma: gastos supérfluos ou investimentos errados). Se quer ajudar de fato a humanidade a evoluir, empreste dinheiro aos que podem fazer algo com ele. O governo, é claro, está excluído dessa lista.

Wanderley Caloni, 2015-09-20. Living on One Dollar. Living on One Dollar (USA, 2013). Dirigido por Zach Ingrasci, Sean Leonard, Chris Temple. Com Ryan Christoffersen, Zach Ingrasci, Sean Leonard, Chris Temple. IMDB.