Lucy

Um misto de ficção científica e ação policial. Lucy (Scarlett Johansson) começa como vítima de circunstâncias que a levam a se tornar prisioneira de uma máfia chinesa e burro de carga de uma nova droga desenvolvida que aumenta consideravelmente o uso do cérebro. Concomitantemente somos apresentados ao professor Normal (Morgan Freeman), que possui uma teoria de que se isso fosse possível poderíamos controlar completamente nosso corpo e até o corpo de outras pessoas (e sabe-se-lá mais o quê).

O que começa sendo o ponto fraco da trama, já que essa história dos humanos usarem apenas 10% do cérebro é uma falácia conhecida, mas que para Luc Besson – que dirige e escreve o roteiro – isso já seria o suficiente para despertar nossa curiosidade quando o corpo de Lucy acidentalmente entra em contato com uma quantidade absurda dessa droga e a garota começa a ganhar poderes cada vez mais implausíveis.

Assim como o recente Transcedence, com Johny Depp, Lucy tenta ser um estudo filosófico a respeito de seres humanos cada vez mais conectados. Veja bem, ele tenta. Porém, partindo em vários momentos para coreografias de ação sem propósito (que máfia fica tão exposta assim por um carregamento de drogas?) o filme se perde entre essas duas linhas narrativas. E mesmo que seu final “Árvore da Vida” seja no mínimo interessante, já é tarde demais.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2014-11-30. Lucy. Lucy (France, 2014). Dirigido por Luc Besson. Escrito por Luc Besson. Com Scarlett Johansson, Morgan Freeman, Min-sik Choi, Amr Waked, Julian Rhind-Tutt, Pilou Asbæk, Analeigh Tipton, Nicolas Phongpheth, Jan Oliver Schroeder. imdb