Madagascar 3 Os Procurados

Com uma primeira parte no modo automático, o filme dos ex-animais do zoológico do Central Park em Nova Iorque mostra sinais de cansaço principalmente em suas velhas piadas, que hoje soam batidas e repetitivas. Para quebrar um pouco a monotonia é apresentada uma nova antagonista: uma inspetora de animais francesa e obcecada em capturar um leão para sua coleção de caça, que recebe uma introdução superficial demais para que ela se torne interessante, e serve apenas para tornar as cenas convenientemente aceleradas e preencher película para uma história curta demais, como pode ser notado em duas cenas “solo” particularmente descartáveis (incluindo uma embaraçosa referência a Edith Piaf utilizando o batidíssimo sucesso “Non, je ne regrette rien”, que aparentemente é a única referência entendida pelo americano médio como algo francês).

Caminhando pela mesma estratégica, somos também apresentados a uma truque (de animais) de ciro, que parecem dar o frescor necessário para a série. Interessante nesse sentido é que ao conhecermos o leão marinho, tão ou mais carismático que o quarteto original, há a identificação muito forte como contraparte de Marty. Porém, talvez pela sua doce ignorância, e a expressão constante de estar sempre incomodando os outros pelo seu “QI um pouco abaixo da média”, ele reafirme a esperança dos outros de um dia voltarem para casa (e note como os pelos do seu bigode e seus dentes desalinhados conseguem materializar seu espírito atrapalhado).

Já o ar deprimido e de poucos amigos do tigre russo (reforçando seu estereótipo) e a sua triste, mas brilhantemente conduzida, história de sua fama passada por atravessar anéis tão menores que si mesmo que desafiam as leis da física conseguem criar conflito suficiente para que o circo como um todo vá muito mal (uma referência, ainda que indireta e distante, ao recente longa O Palhaço, que brinca um pouco com depressão circense).

Mesmo assim, o filme não dá muito espaço para drama, reconhecendo seu público infantil (e sua própria superficial história) e acelerando drasticamente em direção ao seu desfecho. Porém o faz maravilhosamente bem, conseguindo unir com harmonia épocas tão distintas de Dumbo e Cirque di Soleu, tudo misturado com música pop em voga, o que aumenta o “appealing” comercial, mas que pode ser um tiro no próprio pé ao revisitarmos sua história daqui uns 10 anos, e Katy Perry ser uma curiosidade tão conhecida quanto The Monkeys.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2012-06-13 imdb