Magic Mike XXL

Continuação que pretende sempre fazer uma cena de reencontro com todo mundo do filme original que reaparece. Abraços, beijos e nada a acrescentar (nem um “ei, você engordou!”).

Mike (Channing Tatum) está construindo seu sonho de móveis sob encomenda, já tem um funcionário, mas recebe a visita na cidade da velha gangue sem Dallas, o Mestre de Cerimônias original interpretado pela alma do filme anterior, Matthew McConaughey (Mike era o corpo). Como está separando da mulher, resolve ir em uma convenção de strippers com a galera e fazer o último show. Acabou a história.

O resto são sequências inspiradas em video-clipes de boy bands dos anos 90, de onde surge uma das melhores sequências do ano envolvendo Backstreet Boys, uma garrafa de água e um pacote de salgadinho. Protagonizada por Joe Manganiello, que está excelente e quase conduz o filme (quisesse o roteiro irregular de Reid Carolin).

Tentando soar picante e uma diversão unicamente para mulheres – e a sessão em que eu estava como único homem no meio de algumas dezenas de meninas, garotas e senhoras comprova isso– Magic Mike recauchutado demonstra que o politicamente correto chegou aos palcos, onde vemos gordinhas se lambuzando e se derretendo por homens que nunca terão de graça. Engraçado como não perceber o óbvio: antes eram velhas, agora são gordas. Combinou melhor com o clima natureba dessa road trip?

Criando suspense para o show final todo o tempo, a duração de duas repetidas horas soa demais, mesmo que eu entenda que não sou o público-alvo. A objetificação do homem, ou melhor dizendo, dos seres humanos, é um tema adulto demais para cuecas pontudas.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2015-08-06 imdb