Mais Forte Que Bombas

Mar 19, 2016

Imagens

Esse é um trabalho intimista que começa no Oriente Médio, por causa da fotógrafa que pretende usar como ponto central, mas depois parte para uma família norte-americana, em que o pai e os dois filhos estão vivendo fases distintas de relacionamentos, e onde a dor da perda da mãe é fractal, pois é assim que eles estavam acostumados a vê-la, de vez em quando, em suas idas e voltas para as regiões de sofrimento humano que retratava lindamente em suas fotos.

Não é um filme parado, mas é um filme que possui pouca tensão em seu conflito central, pois, bem, ele não existe realmente. É só um chamariz para adentrarmos na vida dessa familia e experimentar a confusão mental de um roteiro que vai e vem no tempo buscando respostas para quem era, de fato, a fotógrafa, e quais foram os impactos de sua ausência na vida dessa família.

Não que seja muito. Porém, a forma de conduzir a história é muito fascinante, pois cada conhecimento a mais da trama é dita casualmente, e detectar o momento em que tal coisa foi dita é por si só um exercício de aprendizagem para espectadores desatentos.

O terceiro ato parece um pouco mais arrastado que os demais, o que dá a impressão de um final insatisfatório. Porém, o filme inteiro pode ser resumido como o prazer de observar a vida de outras pessoas e tentar entender seus problemas.

Wanderley Caloni, 2016-03-19. Mais Forte Que Bombas. Louder Than Bombs (Norway, 2015). Dirigido por Joachim Trier. Escrito por Joachim Trier, Eskil Vogt. Com Rachel Brosnahan, Jesse Eisenberg, Amy Ryan, Gabriel Byrne, Ruby Jerins, David Strathairn, Isabelle Huppert, Devin Druid, Megan Ketch. IMDB. Texto completo próximo ou após a estreia no CinemAqui (Source).