Mais Forte Que Bombas

2016/03/19

Esse é um trabalho intimista que começa no Oriente Médio, por causa da fotógrafa que pretende usar como ponto central, mas depois parte para uma família norte-americana, em que o pai e os dois filhos estão vivendo fases distintas de relacionamentos, e onde a dor da perda da mãe é fractal, pois é assim que eles estavam acostumados a vê-la, de vez em quando, em suas idas e voltas para as regiões de sofrimento humano que retratava lindamente em suas fotos.

Não é um filme parado, mas é um filme que possui pouca tensão em seu conflito central, pois, bem, ele não existe realmente. É só um chamariz para adentrarmos na vida dessa familia e experimentar a confusão mental de um roteiro que vai e vem no tempo buscando respostas para quem era, de fato, a fotógrafa, e quais foram os impactos de sua ausência na vida dessa família.

Não que seja muito. Porém, a forma de conduzir a história é muito fascinante, pois cada conhecimento a mais da trama é dita casualmente, e detectar o momento em que tal coisa foi dita é por si só um exercício de aprendizagem para espectadores desatentos.

O terceiro ato parece um pouco mais arrastado que os demais, o que dá a impressão de um final insatisfatório. Porém, o filme inteiro pode ser resumido como o prazer de observar a vida de outras pessoas e tentar entender seus problemas.

★★★★☆ Louder Than Bombs. Norway, 2015. Direction: Joachim Trier. Script: Joachim Trier. Eskil Vogt. Cast: Rachel Brosnahan. Jesse Eisenberg. Amy Ryan. Gabriel Byrne. Ruby Jerins. David Strathairn. Isabelle Huppert. Devin Druid. Megan Ketch. Edition: Olivier Bugge Coutté. Cinematography: Jakob Ihre. Soundtrack: Ola Fløttum. Runtime: 109. Ratio: 1.85 : 1. Gender: Drama. Category: movies Tags: cabine

Share on: Facebook | Twitter | Google