Matilda

Wanderley Caloni, December 7, 2018

Matilda passa na regra dos 15 anos. Se trata de um filme infantil, com premissas infantis, enxergadas do ponto de vista de uma criança. Mas, perdoem os maniqueísmos, é uma louvável lição sobre como quando as coisas certas acontecem nos ambiente errados.

Em primeiro lugar a história exalta a inteligência, livre espírito e iniciativa de Matilda, que no sorriso peralta e ao mesmo tempo honesto de Mara Wilson vira uma base moral para toda a história, recheada de adultos que, alheios à vida virtuosa e engrandecedora, simplesmente não entendem. Pior: tentam a todo momento esmagar a individualidade dos pequeninos no filme.

O roteiro de Nicholas Kazan e Robin Swicord abraça completamente o ponto de vista infantil e cria uma fábula bem-intencionada. Torcemos obviamente pelo sucesso de Matilda, pois ela é o bem absoluto no filme. Ela e sua adorável professora. Mas não queremos o mal de seus pais ou da implacável diretora da escola (nas mãos da possuída Pam Ferris). Por quê? Oras, eles simplesmente não entendem. Vivem suas vidas auto-centradas de adultos, em seu mundinho minúsculo e mesquinho. Isso revela grande parte da humanidade hoje em dia. Matilda é a heroína da história porque ela se recusa a participar do circo animalesco que os humanos fazem com suas vidas.

Este é um filme colorido, com magia, mas acima de tudo, com coração. Ele não se entrega à dura realidade onde mágica não existe, mas tampouco nos diz que isso não é possível e que é apenas uma fábula. É uma metáfora do poder que nosso cérebro possui quando ganha conexões, muitas conexões, sobre o infinito mundo lá fora. A frase mais linda do filme é quando o narrador afirma que Matilda, tendo lido grandes livros de aventuras de diferentes e consagrados autores, descobre que não está sozinha neste mundo.

Os efeitos estão passados, mas a direção de arte não. E a própria direção de Danny DeVito, que participa como o pai de Matilda e vendedor canastrão de carros usados, usa com perfeição os enquadramentos grandiosos dos cenários que são usados para ilustrar este livro infantil em forma de filme. Tudo funciona no universo de Matilda, exceto talvez a tensão, que é aliviada por muitas palmadas nas costas dos oprimidos.

De qualquer forma, se você está com seu espírito um pouco desanimado, pensando talvez que não valha a pena o auto-crescimento, veja os olhos com novos olhos, os olhos mais mágicos que exitem em nossa humanidade: a visão de uma criança após abrir seu primeiro livro. E sua mente, que se expande e que nunca mais se contrai.

Imagens e créditos no IMDB.
Matilda ● Matilda. EUA, 1996. Escrito por Nicholas Kazan e Robin Swicord baseados no livro de Roald Dahl. Dirigido por Danny DeVito. Com Danny DeVito, Rhea Perlman, Mara Wilson. Nostalgia, Regra dos 15 Anos. ● Nota: 4/5. Categoria: movies. Publicado em 2018-12-07. Texto escrito por Wanderley Caloni.


Quer comentar?